Afro Fashion Day discute moda e cultura negra através dos turbantes

moringa-label-capa
Marcas baianas que mandam superbem na moda praia. Confira!
November 19, 2016
(Foto: Erik Salles/Diferente Imagens/Divulgação)
Saiba tudo sobre as oficinas do Senac Casa Afro Fashion
November 19, 2016

Os adereços existem no vestuário da população mundial há milhares de anos e que nunca saem da moda


Midiã Noelle

Os turbantes são adereços que existem no vestuário da população mundial há milhares de anos e que nunca saem da moda. Não se sabe com exatidão a origem, mas, no Brasil, o uso geralmente é associado às pessoas negras e de religiões de matrizes africanas, o que gera muitos debates sobre apropriação, identidade, racismo e empoderamento.

Para a baiana de acarajé Erika Rigaud, o turbante é como uma “coroa”. “Vai além de um simples acessório e da estética. É como uma coroação. Algo que não compõe só a roupa, mas que carrega uma história, uma cultura”. Esse amor pelos panos adornados na cabeça vem de outras gerações. “Minha avó, mãe, filha, todas são baianas e usam torço”, revelou a empreendedora, que estará presente com sua marca de turbantes no desfile do Afro Fashion Day, amanhã, Dia da Consciência Negra.

 

Uso dos turbantes por pessoas não negras fomenta o debate sobre apropriação cultural (Foto: Angeluci Figueiredo/CORREIO)

Erika enfatizou ainda que é evangélica e não acha problema usar turbante nos cultos. “Coloco meu tabuleiro na praia do Porto da Barra com meu torço no cabelo, mas uso o tempo todo. Inclusive para ir na igreja, ou quando uso roupa social”.

A questão sobre apropriação cultural destes ornamentos mais utilizados em aspectos religiosos, sobretudo em sociedades não ocidentais, divide opiniões. Para Clarissa Pacheco, uma das criadoras da marca Cabelo em Pé, pode ser positivo ou não. “A estética afro tem ficado em evidência e existem as pessoas que usam como moda, porque é bonito, e outras que sentem uma identificação mesmo racial”.

Ela acredita ainda que os torços são uma ótima opção para o momento atual em que muitas meninas estão optando deixar de usar química. “Meu cabelo é alisado e estou em transição. Comecei a usar por sugestão da minha sócia”, contou a dona da marca de turbantes com sustentações de arame para modelar.

Erika Rigaud (Foto: Acervo pessoal)

Erika é baiana de acarajé, evangélica e usa turbantes no seu dia a dia sem se preocupar com preconceitos (Foto: Acervo pessoal)

Segundo Jéssica Santos, da Boutique Negralá, que sempre viu sua mãe e tias usarem as amarrações, não tem muita conversa. “O turbante não é só moda e não chegou no século XXI. É uma representatividade ancestral”. Os pensamentos divergentes das turbanteiras dialogam com a proposta do AFD, de causar reflexões no que tange com a identidade negra. Turbanque e Com Amor, Dora completam esse time.

O Afro contará com 45 marcas de roupas e acessórios no desfile na Cruz Caída, a partir das 17h30. No total serão 60 modelos e 14 convidados na passarela do evento.

O Afro Fashion Day é uma realização do CORREIO com patrocínio do Shopping da Bahia, HapVida e Faculdade da Cidade, apoio do Senac e Eudora e apoio institucional da prefeitura de Salvador.

 

Programação

O evento gratuito começa no neste sábado, 19, com oficinas e bate-papos nos turnos da manhã e da tarde no Senac da Rua Chile, Pelourinho. É preciso fazer a pré-inscrição. Domingo, 20, a programação começa com a exposição Visu no Pelô, na Praça da Cruz Caída. A partir das 15h, o local receberá o lounge do Shopping da Bahia e o estande Faculdade da Cidade, além do Espaço Kids. As crianças vão poder se divertir com artes circenses (malabares, monociclo, perna de pau), pintura de rosto e dança de rua. O desfile acontece ao pôr do sol, às 17h30, com participação de 45 marcas, 60 modelos e cerca de dez convidados.

O Afro Fashion Day é uma realização do CORREIO com patrocínio do Shopping da Bahia, HapVida e Faculdade da Cidade, apoio do Senac e Eudora e apoio institucional da prefeitura de Salvador.