Chuva realça participação e a beleza da comunidade negra no Afro Fashion Day

(Foto: Erik Salles/Diferente Imagens/Divulgação)
Saiba tudo sobre as oficinas do Senac Casa Afro Fashion
November 19, 2016
(Foto: Erik Salles/Diferente Imagens/Divulgação)
Não deu pra ir? Assista ao desfile do Afro Fashion Day
November 22, 2016

PELE QUE NÃO DERRETE, BRILHA! A forte chuva que caiu ontem em Salvador foi só um elemento a mais a cobrar resistência e autoafirmação do povo negro, que ontem celebrou seu dia com um desfile de moda promovido pelo CORREIO. Negritude é orgulho


  • Verena Paranhos
    verena.paranhos@redebahia.com.br

O público que compareceu ontem à Praça da Cruz Caída, no Centro Histórico, provou que a celebração do Dia da Consciência Negra também pode ser uma forma de resistência. A chuva forte que caiu na cidade não tirou o brilho do Afro Fashion Day (AFD), segunda edição do evento realizado pelo CORREIO para mostrar que desfilar é uma maneira de afirmar nossas conquistas e belezas.

Moda praia também teve espaço na passarela do Afro Fashion Day 2016

Moda praia também teve espaço na passarela do Afro Fashion Day 2016 (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Apesar do mau tempo, a plateia se manteve animada para o grande show de moda gratuito. Antes mesmo dos 74 modelos e convidados subirem na passarela, com o tema O Grito das Ruas, o DJ Mauro Telefunksoul animou os presentes, promovendo uma verdadeira balada.

A festa foi ampliada para a passarela com uma performance que uniu os grupos FitDance e Lekan Dance, além de dançarinos de stilleto se equilibrando em saltos. “A dança é para qualquer plateia, se encaixa em qualquer lugar”, disse Zig Pereira, do FitDance.

ASSISTA AO DESFILE DO AFRO FASHION DAY 2016

O casting 100% negro continuou a celebração usando roupas e acessórios produzidos por 45 marcas locais. “O Dia da Consciência Negra virou um processo de empoderamento contínuo, constante. Estamos atentos, estamos espertos, estamos aqui, estamos com tudo”, destacou a cantora Larissa Luz, mestre de cerimônias do desfile.

Para o cantor Márcio Victor, um dos artistas convidados, o momento foi de voltar no tempo. Além de lembrar a infância, quando participava de desfiles, o líder do Psirico fez questão de reforçar seu papel na luta contra o racismo. “Está aí na internet, em todos os lugares. O Brasil ainda é o país das mulatas rainhas. Tem pessoas dormindo ainda, que não sabem o que é ser preto de verdade”, disse. Os cantores Ana Mametto, Margareth Menezes, Vitor Pretto e Lincoln Sena, da Duas Medidas, foram outros que subiram na passarela.

Mais de 70 pessoas, entre modelos e convidados, desfilaram

Mais de 70 pessoas, entre modelos e convidados, desfilaram (Foto: Erik Salles/ Diferente Imagens)

“É uma conquista do negro mostrar todo o seu poder. Uma identidade afirmada no talento e na beleza. E o jornal está antenado com o que essas pessoas constroem no seu dia a dia. É compromisso do CORREIO dar visibilidade a essa riqueza cultural”, disse a editora-chefe do periódico, Linda Bezerra.

A importância de refletir sobre a data também era sentida entre o público. Janaína Sacramento fez questão de sair de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador, para levar a filha Nailane, de 7 anos. “Ela já trabalha como modelo fotográfica e também de passarela. É importante valorizar a cultura negra desde pequena e ver que uma passarela toda negra é possível”.

afrofashionday_04

Tiaguinho Gabriel e Nailane Anjos: modelos-mirins de 4 e 7 anos (Foto: Alex Dantas/Diferente Imagens)

O desfile também atraiu quem não fazia ideia do que estava rolando por ali. Esse foi o caso do francês Danny Conti. “Eu sou negro e a memória é muito importante. Eu sinto que Salvador mantém essa memória viva”, disse o vendedor.

“O Afro Fashion Day hoje se mostrou um evento fundamental no calendário da cidade. A prova disso é que a população veio debaixo de chuva, ficou o tempo todo superanimada. Tudo isso é graças a quem acreditou no projeto, patrocinadores, apoiadores, modelos, estilistas, produtores”, afirmou Fábio Góis, gerente de marketing e mídias digitais do CORREIO.

Evento mostrou iversidade de corpos e estilos dos baianos (Foto: Alex Dantas/Diferente Imagens)

Evento mostrou diversidade de corpos e estilos dos baianos (Foto: Alex Dantas/Diferente Imagens)

Dever cumprido
Depois do dever cumprido na passarela, o clima de celebração tomou conta dos bastidores, com modelos e criativos vibrando em êxtase. “É uma honra estar desfilando aqui em Salvador, faça chuva ou faça sol. A energia da minha família, do público baiano, me emociona, não tem nada igual”, disse a top baiana Diara Rosa. Depois de participar do AFD em 2015, a jovem deixou a Ilha de Itaparica para morar em São Paulo e já emplacou campanhas internacionais e editoriais de revistas como Vogue Brasil.

m,

Mesmo debaixo de chuva, público assistiu ao desfile na Cruz Caída munido de capas e guarda-chuvas (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

A satisfação também era sentida com os estilistas e designers responsáveis pelas marcas. “É bem interessante esse movimento de resgatar a nossa cultura, as referências da Bahia. É essencial participar de grandes eventos com outras marcas e fortalecer a cadeia produtiva da moda”, afirmou Gustavo Moraes, da Tempt.

A programação do AFD de ontem contou ainda com a exposição Visu no Pelô e Espaço Kids. Sábado foram realizados seis oficinas e bate-papos no Senac Rua Chile. O Afro Fashion Day tem patrocínio do Shopping da Bahia, HapVida e Faculdade da Cidade, apoio do Senac e Eudora e apoio institucional da Prefeitura de Salvador, pela Empresa Salvador Turismo (Saltur).

Lekan e FitDance: batalha de dança na surpreendente abertura do AFD

Lekan e FitDance: batalha de dança na surpreendente abertura do AFD (Foto: Erik Salles/Diferente Imagens)