Brasil

“Recebia dinheiro para ir a protestos”, diz advogado de suspeito de acender rojão

Segundo ele, o jovem recebia um salário mínimo e a maior parte do dinheiro seria utilizada para pagar o aluguel da casa da mãe

Da Redação
Atualizado em 12/02/2014 13:06:25

O advogado Jonas Tadeu Nunes, que defende o suspeito de acender o rojão que matou o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, afirmou nesta quarta-feira (12) que organizações davam dinheiro a manifestantes para irem aos protestos no Rio de Janeiro. Entre eles, o próprio Caio Silva de Souza, 22 anos, preso na madrugada, em uma pousada de Feira de Santana, no interior da Bahia.

De acordo com o advogado, Caio recebia um salário mínimo para participar das manifestações e a maior parte do dinheiro seria utilizada para pagar o aluguel da casa da mãe, que está desempregada. O jovem morava em Nilópolis, na Baixada Fluminense, e trabalhava como auxiliar de serviços gerais do Hospital Rocha Faria, no Rio.

"Assim que estive com o pai do Caio, vi a situação de miséria que ele vive. Me deu uma tristeza muito grande. Esses jovens são aliciados, recebem fomentos financeiros de organismos que organizam estes protestos com o objetivo de desarticular o governo, em vez de fazer uma oposição correta. Tem que ir atrás das pessoas que aliciam outros jovens. Eles desgraçaram a família de outros jovens e do Santiago", disse o advogado ao G1, sem informar quais são as organizações e os responsáveis pelo suposto aliciamento.

Ao ser preso, Caio admitiu em entrevista para a Rede Globo que acendeu o rojão durante a manifestação de quinta-feira (6). O jovem contou ainda que não sabia que o objeto era um rojão, e sim um "cabeção de nego".

Caio trabalhava como auxiliar de serviços gerais em um hospital (Foto: Agência Brasil)


No entanto, ao delegado Maurício Luciano, responsável pelo caso, o suspeito manteve o posicionamento de só falar em juízo. “Ele não admitiu e nem negou”, disse Luciano, acrescentando que, apesar disso, o inquérito já está quase concluído e há provas suficientes de que Caio acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista.

“As provas são contundentes e não deixam margens a dúvidas. A confissão seria apenas para corroborar”, afirmou o delegado, complementando que vídeos da manifestação contra o aumento das passagens de ônibus no município do Rio, ocorrida na semana passada, mostram que Caio usava a mesma roupa que o homem que acendeu o artefato.

O delegado garantiu ainda que há a prova testemunhal do tatuador Fábio Raposo, preso no último dia 8, que já teria confessado à polícia que entregou o rojão para Caio.

Para a conclusão do inquérito, faltam apenas os laudos periciais e o depoimento de um colega de trabalho de Caio. O delegado Maurício Luciano disse que os autos deverão ser entregues à Justiça até a próxima sexta-feira (14).

Fuga para o Ceará
Segundo o delegado, a fuga de Caio começou na segunda-feira (10), quando ele saiu de sua casa, na Baixada Fluminense, e embarcou em um ônibus com destino à cidade de Ipu, no Ceará, onde moram seus avós paternos.

“Ele não admitiu e nem negou”, disse o delegado (Foto: Tania Rego/Agência Brasil)


Na entrevista coletiva, que durou cerca de uma hora e teve a participação do chefe da Polícia Civil do Rio, Fernando Velloso, o delegado contou que o advogado Jonas Tadeu o convenceu a desistir da fuga e se hospedar em um hotel em Feira de Santana para que a polícia pudesse localizá-lo.

O delegado foi ao local junto com o advogado e a namorada do rapaz. Antes da prisão, a namorada ainda entrou no quarto para acalmá-lo. “Ele estava acuado e assustado em um quarto muito pequeno. Ele disse que não comia há dois dias e não reagiu à prisão”.

O chefe da Polícia Civil, Fernando Velloso, disse que não é possível provar, por enquanto, a ligação de Caio e Fábio com qualquer grupo criminoso ou político, mas que investigações estão sendo feitas nesse sentido.

Depois de passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal, Caio será encaminhado para o sistema prisional do estado. Ele foi indiciado pelos crimes de homicídio doloso qualificado, por uso de explosivo e explosão em via pública. Se for condenado, a pena pode ultrapassar 30 anos de prisão. Com informações da Agência Brasil.


 

{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação
Relacionadas

Salvador

Trânsito em Salvador
-- ºC
-- ºC

    Tábua de Marés

  • Alta02h08
  • Baixa08h21
  • Alta14h36
  • Baixa20h36

Assine o Correio 71 3533-3030

Fale com a Redação 71 3535-0330
Classificados Acheaqui71 3535-3035
Publicidade
71 3203-1812
Rua Aristides Novis, 123, Federação.
CEP: 40310-630 - Salvador, Bahia, Brasil.