ACM Neto nega veto a BaianaSystem após protesto: 'Bobagem querer censurar'

carnaval
26.02.2017, 16:54:00
Atualizado: 26.02.2017, 17:45:37

ACM Neto nega veto a BaianaSystem após protesto: 'Bobagem querer censurar'

Presidente do Comcar criticou coro de "Fora Temer" e disse que banda deveria ir para o Mudança do Garcia

O prefeito ACM Neto negou ter intenção de vetar a BaianaSystem de futuras edições do Carnaval após um protesto em que foliões gritaram"Fora, Temer". A possibilidade foi colocada em discussão pelo presidente do Conselho Municipal do Carnaval de Salvador (Comcar), Pedro Costa. Neto disse neste domingo (26) que isso "não tem sentido nenhum". 

(Foto: Sergio Pedreira / Ag Haack)
Baiana puxou coro de Fora Temer (Foto: Sérgio Pedreira/Ag. Haack)

"Claro que não, óbvio que não (vetar a banda). Não tem sentido nenhum isso. Uma bobagem se querer censurar ou vetar, se for assim o artista não poderia chegar e elogiar a mim ou ao governador. Pode elogiar, pode criticar. É a liberdade mesmo. No que se refere a mim, tem que deixar cada um fazer o que quer fazer", defendeu. 

Acompanhe em tempo real o que está acontecendo no Carnaval

Ele disse ainda que espera que a banda siga tocando no Furdunço, mas pontuou que por conta do grande fluxo esse ano é preciso se repensar o evento para a próxima edição. "BaianaSystem ajudou a gente a começar o Furdunço. Tocou com a gente no Réveillon e por mim ela continua. Esse ano o Furdunço a gente viu que Léo Santana e BaianaSystem como estão em momento forte, muito badalados, acabaram juntos, no mesmo dia, acabaram arrastando uma multidão que não era esperado. A gente vai avaliar ano que vem esse aspecto. Mas da minha parte, pelo contrário, a gente vai continuar tocando com eles, porque fazem uma música muito boa. Se depender de mim, continuam também no Furdunço. Agora, vamos dar uma estrutura maior para o Furdunço ano que vem", completou.

Acompanhe tudo o que está acontecendo no Carnaval

Críticas
O representante do Comcar, afirmou que a comissão da ética vai se reunir logo após o Carnaval para assistir aos vídeos e avaliar a punição da banda. "Foi um ato de politicagem e eles não foram pagos para isso. Embora tenhamos muito orgulho de tê-los conosco nesta realização, é inaceitável e vai haver punição, sim. São 700 atrações envolvidas, se todos resolverem fazer isso, vira um palanque político", ressalta.

O presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), responsável pela organização do Carnaval, Isaac Edington, afirmou que é imaturo assumir qualquer posição sobre o assunto em pleno Carnaval 2017. "O nosso foco agora é realizar um evento extraordinário, como está sendo", salientou, acrescentando que é contra qualquer tipo de censura.

"Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo. Essa frase, atribuída a Voltaire, demonstra um pouco a forma como eu vejo esse assunto", disse ao CORREIO.

Veja programação completa dos bairros e circuitos

Cumprimentos e elogios às entidades públicas, como prefeito e governador, porém, não são vistos como infração, segundo afirmou Costa ao CORREIO. "Uma coisa é um cumprimento, um elogio, outra coisa é o artista usar a potência de som de um trio elétrico em um evento deste porte para levantar bandeiras políticas. Não caiu bem", completou ele, acrescentando que a Comcar teve conhecimento do fato na tarde deste sábado e ainda não notificou a banda.

O código de ética do Comcar prevê punições a níveis leves, graves e gravíssimos. "Racismo, por exemplo, seria uma punição gravíssima. Ou apologia à violência contra as mulheres", pontua Pedro. O presidente do Comcar esclareceu que o fato da Baiana System ser patrocinada pela Prefeitura de Salvador não é um agravante para a punição e que, conforme o código de ética, qualquer entidade ou artista deve ser punido da mesma maneira, independente da origem do financiamento.

"É diferente da Mudança do Garcia, que é uma manifestação popular organizada. Eles tocam na política, mas eles não são um artista em cima de um trio fazendo isso, eu avalio que é totalmente diferente".

A BaianaSystem deve ser notificada após o Carnaval e terá o direito de recorrer da decisão da Comissão de Ética da Comcar. "Não é uma certeza que terão punição máxima. Podem receber uma advertência, por exemplo, por isso há esse estudo. Eles têm o direito de resposta, sim", finalizou. 

Por meio de sua assessoria, a BaianaSystem informou que, por hora, não tem declarações a fazer. Ao CORREIO, os representantes da banda disseram ontem que os músicos ainda não conversaram sobre o assunto.