Áreas dominadas pelo tráfico serão monitoradas por drone; assista

salvador
05.08.2017, 12:09:00
Atualizado: 05.08.2017, 12:25:59

Áreas dominadas pelo tráfico serão monitoradas por drone; assista

Cerca de 30 policiais fazem o levantamento

Os bairros e localidades de Salvador com presença do tráfico de drogas já começaram a ser monitorados pela Coordenadoria de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil. Nesta semana, Nova Constituinte recebeu a operação de mapeamento de ruas, casas, estabelecimentos comerciais como mercadinhos, bares, padarias, entre outros. Um drone está sendo usado para capturar as imagens do alto.

Em terra, sete equipes, com aproximadamente 30 policiais, fazem o levantamento dos nomes das ruas, travessas, numeração das casas, registrando os estabelecimentos comerciais e conversando com os moradores. Eles também estão distribuindo panfletos do Disque Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e verificando locais denunciados como pontos de vendas de entorpecentes.

  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)
  • (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA/Divulgação)

“Estamos dando um grande passo. Trabalhamos com cumprimentos de mandados de prisão e de busca e apreensão e Salvador é uma cidade que cresce desordenadamente. Muitas vezes perdemos tempo rodando procurando um determinado alvo”, explicou o coordenador da COE, André Viana.

Segundo o delegado, a Operação COA (Conhecer, Operar e Aproximar) será realizada semanalmente em regiões com presença de organizações criminosas que atuam vendendo drogas e praticando outras crimes. “Com as imagens aéreas passamos a conhecer, com outra perspectiva, os imóveis usados pelos traficantes, as possíveis rotas de fuga, como posicionar as viaturas durante as operações, entre outros importantes detalhes”, concluiu Viana.