Beagles resgatados em instituto podem ser colocados para adoção

Beagles resgatados em instituto podem ser colocados para adoção

Enquanto a adoção não é legalizada, os ativistas que cuidam dos animais pedem que a população ajude com doação de ração.

Da Redação

Os cães da raça beagle que foram resgatados em uma ação coletiva dos protetores de animais podem ser colocados para adoção. Na noite da última quinta-feira (17), cerca de 200 animais foram libertadores do Instituto Royal, em São Roque, no interior de São Paulo. Segundo os ativistas, os bichos sofriam testes farmacêuticos cruéis no local. 

Todos os beagles resgatados receberam chips de identificação e já existe uma ordem judicial para que os ativistas devolvam os cães ao instituto. Indignados com a determinação, os ativistas criaram uma página em uma rede social batizada de "Adote um Animal Resgatado do Instituto Royal", em que os animais serão liberados para receber um novo lar. As adoções, no entanto, só acontecerão quando os defensores dos animais tiverem a permissão para isso.

Enquanto a adoção não é legalizada, os ativistas que cuidam dos animais pedem que a população ajude com doação de ração. 

Leia mais:
Resgate de 200 cães em São Paulo mobiliza artistas nas redes sociais
Ativistas resgatam 200 cães de laboratório de testes em empresa de São Paulo

Entenda o caso
Um grupo de ao menos cem ativistas invadiu e resgatou cães da raça beagle do Instituto Royal, no Jardim Cardoso, em São Roque (59 km de São Paulo), por volta das 2h de hoje. Os ativistas protestam contra o uso de cães da raça em testes feitos pelo instituto que trabalha para farmacêuticas. Os ativistas arrombaram gaiolas e resgataram cerca de 200 cachorros da raça beagle, que foram levados em carros a clínicas veterinárias particulares da região. 

Segundo a ativista Giuliana Stefanini, seis destes cachorros tinham tumores e estavam mutilados. “ O que mais chocou o grupo foi um beagle sem os olhos”, disse Giuliana. No laboratório, os manifestantes também encontraram vários fetos de ratos e um cachorro congelado em nitrogênio líquido. O protesto começou por volta das 16h de ontem com cerca de 35 pessoas. Segundo a Guarda Civil Municipal, no período da noite o número de manifestantes começou a aumentar.