Caminho entre os opostos

artigo
14.01.2018, 08:44:23
Atualizado: 14.01.2018, 09:44:21

Caminho entre os opostos

Poucas cidades no mundo convivem tão bem quanto Salvador com o aparente paradoxo criado pela convivência entre fé e folia, por vezes, no mesmo espaço e tempo. A capital baiana sintetiza de maneira ímpar essa simbiose, traduzida no clichê que une sagrado e profano em uma expressão comum no vocabulário cotidiano. Raros também são os lugares capazes de aproveitar o melhor de ambos, sem descaracterizar o que cada um traz de singular e tradicional.

Os símbolos máximos da harmonia originada por elementos opostos são as festas populares que integram o calendário de eventos durante a alta temporada em Salvador. De 25 de novembro, quando se comemora o Dia da Baiana, a 2 de fevereiro, reservado às celebrações para Iemanjá no Rio Vermelho, a cidade transpira simultaneamente religiosidade e diversão em mais nove datas oficiais. Parte delas com potencial de atrair levas de turistas e, por consequência direta, alavancar negócios.

Foi o que se viu na última quinta-feira, quando o circuito entre a Conceição da Praia e a Colina Sagrada foi tomado por milhares de pessoas. Parte considerável delas vinda de outros cantos dentro e fora do Brasil. Não é novidade o poder de atração que torna a Lavagem do Bonfim o ponto alto do calendário festivo-religioso da cidade, com sua mistura de catolicismo, candomblé, manifestações culturais e folia.

Nela, multidões caminham  com um olho na fé e o outro na gandaia, sejam seus componentes do interior baiano ou da Rússia, uma das inúmeras nacionalidades identificadas por jornalistas que cobriam a festa. Ao longo do trajeto de oito quilômetros, cabem sem problema espaço para orar, curtir, gerar negócios ou simplesmente contemplar a beleza humana e natural margeada pela Baía de Todos os Santos.

Para uma capital em que os setores de turismo e entretenimento compõem fatias substanciais do PIB, as festas populares podem se transformar em trampolim para o desenvolvimento econômico e social, pela capacidade de atrair grandes contingentes de pessoas. Daí o interesse de empresas em patrocinar os eventos mais importantes desse calendário, como Bonfim e Iemanjá, que despertaram a atenção de uma cervejaria. Tais recursos possibilitam a manutenção das festividades com dinheiro privado, liberando o poder público para investir na cidade verbas que seriam gastas para organizá-las.

Usar o calendário de festejos com matriz religiosa para gerar renda e emprego é uma saída para retomar o crescimento de segmentos que integram a indústria do turismo e dos que dela se aproveitam por efeito conexo.  Desde que se preserve, através de estímulos financeiros e mecanismos públicos de proteção ao patrimônio imaterial, a tradição cultural que é a verdadeira origem dos festejos.

Além, é claro, dos cuidados com os bens materiais ligados a tais celebrações e os monumentos instalados nos locais onde elas ocorrem, da Lapinha, palco da Festa de Reis, a Itapuã, cenário de outra famosa lavagem. Essa preocupação, no entanto, não pode servir de lente para a miopia de quem não enxerga que visibilidade e recursos são as melhores formas de preservar tradições que dependem de investimento e público para continuar existindo entre a fé e a folia.