Em oito jogos, Eduardo já lidera as assistências no time do Bahia

e.c. bahia
11.08.2015, 08:07:00
Atualizado: 11.08.2015, 09:51:11

Em oito jogos, Eduardo já lidera as assistências no time do Bahia

O número 7 na camisa não condiz com as atuações de Eduardo, dignas de camisa 10

A evolução é nítida. Bastaram oito partidas para que o meia  Eduardo se tornasse  o líder de assistências do Bahia no ano, ao lado de Rômulo e Souza, com cinco. Três dos cinco foram  oriundos de jogadas de  bola parada, responsabilidade que também é dele.

“A bola parada sempre define situações de jogo. Sérgio (Soares) está treinando muito, antigamente eu estava batendo na bola, agora eu entro na área. Eu puxo o primeiro pau pra Jailton, Kieza e Alexandro concluírem. Espero que a gente mantenha isso em alta”, atestou o volante Souza.

Meia Eduardo é o cobrador de bolas paradas e já deu cinco assistências em oito jogos
(Foto: Felipe Oliveira/ecbahia/divulgação)

O número 7 na camisa não condiz com as atuações de Eduardo, dignas de camisa 10. Na goleada da sexta-feira passada, 4x1 sobre o Boa, ele marcou seu primeiro gol pelo tricolor. Hoje, às 19h, contra o Náutico, na Fonte, a criação das jogadas passará mais uma vez pelo novo maestro do time.

O Náutico é adversário direto na briga pelo acesso. Está em sexto lugar com 28 pontos, três a menos que o Bahia, vice-líder. Por esse motivo e por se tratar de um clássico nordestino, a importância do jogo aumenta. “Tem que ter cuidado dobrado com o Náutico. Eles são muito qualificados e estão brigando com a gente pelo acesso. Não dá para negar que é um jogo que temos que nos esforçar ainda mais”, disse o lateral-esquerdo Vítor.

Autor da bela jogada no gol de Souza contra o Boa, Yuri também alertou para os perigos que o adversário pode oferecer e ressaltou a importância de manter o bom desempenho jogando na Fonte Nova.

“A missão agora é vencer o Náutico. Já vinha pensando nesse jogo porque é um adversário direto, então é mais difícil e a responsabilidade é ainda maior. Não podemos perder essa invencibilidade em casa”, frisa Yuri. Como mandante, o Bahia ganhou sete e empatou um jogo (91,7%).