'Eu amava minha família', diz homem que matou cinco parentes em incêndio

'Eu amava minha família', diz homem que matou cinco parentes em incêndio

Gilson de Jesus Moura disse não se lembrar de ter cometido o crime, e que não teria motivos

O comerciante Gilson de Jesus Moura, 49 anos, que matou três filhos, sua enteada e o filho dela em Feira de Santana, declarou amor à sua família na tarde desta sexta-feira (6). "Minha família sempre foi a base de tudo, sempre amei minha minha família", garantiu. Gilson foi apresentado hoje à imprensa, em coletiva na sede da Polícia Civil, na Piedade.

A contradição entre a declaração e o crime, que também envolveu sua esposa e outra filha do casal, internadas em estado grave, é explicada por Gilson com uma espécie de amnésia. "Sei que todas as evidências mostram que eu que fiz isso, mas não lembro de nada", conta.

Gilson de Jesus foi apresentado na sede da Polícia Civil 
(Foto: Alberto Maraux/SSP)

Gilson também garante que está triste e arrependido. "Triste é pouco. Toda essa tragédia que eu cometi, não tenho palavras", disse, embora não demonstrasse emoções. Durante toda a coletiva, o comerciante aparentou frieza e lucidez.

Questionado sobre o motivo dele ter cometido o crime, ou algum gatilho que disparou a suposta amnésia, Gilson disse não saber. "Não tinha motivo nenhum para isso. A gente não tinha problemas", afirmou, negando ainda sentir ciúme da esposa. "Eu montei um bar e coloquei ela trabalhando lá. Se eu tivesse ciúmes, não faria isso", justificou.

Premeditado
A tese da polícia é que, motivado por um sentimento de posse doentio pela esposa, Gilson premeditou o crime. "Tivemos vários indícios pelas oitivas que nós colhemos. Ele já havia feito ameaças, alguns vizinhos disseram que no Natal ele já dizia que ia tocar fogo na casa e matar todo mundo", revela  a delegada Larissa Lage, da Delegacia de Homicídios de Feira de Santana.

"Ele também se apossou de um dinheiro da esposa e gastou na revisão do carro e encheu o tanque, já se preparando para fugir", completa a delegada. "Ele também combinou a venda do veículo e voltou hoje para Feira de Santana, para entregar o veículo"

"Na noite anterior ao crime, ele pegou um galão de cinco litros de gasolina e deixou escondido dentro da residência. Quando a família dormiu, derramou sobre as pessoas, ateou fogo e trancou as portas", conta o delegado João Uzzum, coordenador regional de Polícia do Interior de Feira de Santana (Coorpin/Feira). Uzzum revela ainda que Gilson já havia esfaqueado sua esposa e irmã, Ana Cristina de Jesus, 37, há dez anos. 

O autônomo nega as acusações da polícia. "A gasolina era para abastecer a moto da minha mulher. O celular eu peguei por pegar, inclusive ficou desligado o dia inteiro", disse.

Também estavam presentes na coletiva o subcomandante do Comando do Policiamento da Região Leste (Feira de Santana), tenente-coronel Vanderval Ramos; e o coordenador regional da Polícia Técnica de Feira de Santana, Celso Vilas Boas.

Gilson será acusado por quíntuplo homicídio qualificado, duas tentativas de homicídio e aborto, pois sua enteada, Emily de Jesus Moura, 16, estava grávida de cinco meses. Ele seguiu para o presídio de Feira de Santana, onde deve ficar em um pavilhão separado, junto com estupradores e outros autores de crimes hediondos.