Festa Literária movimenta Cachoeira de hoje a domingo

entretenimento
05.10.2017, 07:00:00
Atualizado: 05.10.2017, 11:24:37
A youtuber Jout Jout participa da mesa Verbos Implacáveis, Surtos Criativos, Angústias Favoritas, no sábado (7) (Foto: Caio Franco/Divulgação)

Festa Literária movimenta Cachoeira de hoje a domingo

CORREIO preparou um guia para quem vai curtir o evento na cidade do Recôncavo

A  Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica) começa nesta quinta (5) e o O CORREIO preparou um roteiro com destaques do evento gratuito que acontece até  domingo (8), na cidade de Cachoeira (localizada a cerca de 120 km de Salvador). Em sua sétima edição, a Flica reúne debates, lançamentos de livros, exposições, contação de histórias, sarau e música, junto com a programação da Fliquinha.

Um dos maiores eventos literários do Brasil, a Flica 2017 conta com a presença de 20 autores que vão participar de dez mesas temáticas. Com curadoria do escritor e jornalista Tom Correia, o evento homenageia o escritor e jornalista baiano Ruy Espinheira Filho, que participa de um bate-papo com o público na sexta-feira (6).

Confira os destaques, por dia, da Flica que é realizada pela Cali e Icontent e tem patrocínio do Governo do Estado, por meio do Fazcultura, além de apoio do Hiperideal, da Coelba, da Odebrecht e da Prefeitura Municipal de Cachoeira.

Quinta-feira (5)

15h: a mesa de abertura Os Reflexos do Passado Ancestral em Nossa Pele, reúne o escritor cubano, radicado em Salvador, Carlos Moore e o paulista Cuti (pseudônimo de Luiz Silva) para debater a negritude como protagonista na sociedade excludente. A mediação é de Zulu Araújo.

16h30: na programação da Fliquinha, o cantor Saulo apresenta o Baile Pé de Maravilha com Saulo. O show dedicado ao público mirim inclui clássicos infantis da música popular brasileira e músicas do álbum Casa Amarela, lançado por Saulo e Ivete Sangalo, em 2008.

Sexta-feira (6)

15h: a programação de sexta inclui a mesa Intervenções, Agitações e Desvarios, na qual participam o escritor paulista Ricardo Lísias, autor do polêmico livro Diário da Cadeia (2017), assinado com o pseudônimo Eduardo Cunha, e a escritora baiana Daniela Galdino. A mediação é de Wesley Correia.

19h: na mesa A Poesia em suas Infinitas Estações, o escritor baiano Ruy Espinheira Filho vai falar sobre sua experiência como professor e escritor. Além disso, o autor homenageado da Flica 2017 vai lembrar dos tempos em que atuou como jornalista e falar sobre a importância de instituições como a Academia de Letras da Bahia. A mediação é da poeta Mônica Menezes.

21h: ainda na programação de sexta, o cantor e compositor Roberto Mendes se apresenta acompanhado do seu filho João Mendes no show Chulas, um Canto de Pai Para Filho. O repertório inclui chulas e xaréus feitos em parceria com Nizaldo Costa, Capinan e Jorge Portugal.

Sábado (7)

9h30: o projeto Livres Livros apresenta a contação de histórias do livro A Magia dos Sonhos, na programação da Fliquinha. Escrito por Raissa Martins e ilustrado por Rebeca Silva, o livro conta de forma lúdica como o movimento de incentivo à leitura Livres Livros começou sua trajetória e convida o público a conhecer personagens de Cachoeira, através das contadoras de histórias Acely Araújo e Cristina D’Ávila.

10h: A mesa Entre a Ficção e a Notícia: limites, contrapontos e narrativas possíveis, reúne dois jornalistas que têm forte relação com a criação literária: Ricardo Ishmael e Francisco José. Apresentador da TV Bahia, o primeiro apresenta o ambiente sertanejo explorado no livro O Curioso Destino de Rita Quebra-Cama (Solisluna). Já o segundo, apresentador da TV Globo, passeia pela experiência de mais de 40 anos de carreira, que inclui reportagens especiais em cobertura de guerras e copas do mundo, cujos detalhes compõem um livro de memórias. Mediação Zulu Araújo.

14h: Já na mesa Verbos Implacáveis, Surtos Criativos, Angústias Favoritas, quem entra em cena é a youtuber, jornalista e escritora Julia Tolezano, a Jout Jout. Apresentadora do canal do YouTube JoutJout Prazer, a youtuber recusa-se a assumir o papel de “princesinha da família” e revela crises envolvendo autoestima, relacionamentos e trabalho, com leveza e sarcasmo. Tia Má, personagem da jornalista baiana Maíra Azevedo, completa a mesa.

17h: a mesa Escrita de Resistência Contra os que Desejam Sufocar a Nossa Voz, reúne a escritora nigeriana Minna Salami, colunista do The Guardian e do blog feminista MsAfropolitan, e a escritora mineira Cidinha da Silva, autora do livro #Parem de nos Matar!, que trata sobre o genocídio da população negra. A professora Denise Carrascosa faz a mediação da mesa que debate a condição da mulher e do negro na sociedade contemporânea.

20h: última mesa de sábado, A Máxima Potência que Habita as Palavras aborda o poder da escrita a partir da participação de uma das escritoras africanas de maior projeção na atualidade, a moçambicana Paulina Chiziane, e da jornalista, atriz e escritora capixaba Elisa Lucinda. A mediação é da escritora baiana Lívia Natália.

22h: o poeta e compositor pernambucano Maviael Melo apresenta seu show que mistura canções, contos, poesias e cordéis que refletem sobre os cuidados com a água, a terra, o planeta. Maviael também é autor do Cordel das Águas, publicação feita pelo Instituto de Gestão das Águas e Clima da Bahia (Ingá).

Minna Salami é colunista do The Guardian e do blog feminista MsAfropolitan
Minna Salami é colunista do The Guardian e do blog feminista MsAfropolitan (Divulgação)
Ruy Espinheira Filho é o homenageado da Flica
Ruy Espinheira Filho é o homenageado da Flica (Angeluci Figueiredo/CORREIO)
A moçambicana Paulina Chiziane participa da mesa A Máxima Potência que Habita as Palavras
A moçambicana Paulina Chiziane participa da mesa A Máxima Potência que Habita as Palavras (Divulgação)
Carlos Moore está na mesa de abertura Os Reflexos do Passado Ancestral em Nossa Pele
Carlos Moore está na mesa de abertura Os Reflexos do Passado Ancestral em Nossa Pele (Reis/Divulgação)
Saulo o Baile Pé de Maravilha, na Fliquinha, quinta (5)
Saulo o Baile Pé de Maravilha, na Fliquinha, quinta (5) (PCCA VERA/Divulgação)
Ricardo Ishmael apresenta o ambiente sertanejo explorado em seu livro
Ricardo Ishmael apresenta o ambiente sertanejo explorado em seu livro (Magali Moraes/Divulgação)

Domingo (8)

10h: Imperdoável Capacidade Humana de Apagar seus Antepassados é a última mesa da Flica, que conta com o premiado escritor Daniel Munduruku, que expõe em seus livros as inquietações e impressões sob a ótica da ancestralidade, e a ativista Eliane Potiguara, autora de diversas publicações e remanescente de uma etnia que se viu obrigada a deixar suas terras. A mediação é de Suzane Lima Costa, coordenadora do Núcleo de Estudos das Produções Autorais Indígenas (Neai-Ufba).

Programação completahttp://flica.com.br