Forró Sinfônico: Concerto da OSBA interpreta clássicos do São João e lota TCA

salvador
18.06.2017, 19:07:00
Atualizado: 18.06.2017, 19:07:13

Forró Sinfônico: Concerto da OSBA interpreta clássicos do São João e lota TCA

Todos os lugares do Teatro Castro Alves foram ocupados e teve gente que não conseguiu entrar para ver apresentação

Uma mistura do clássico com o popular marcou o concerto São João Sebastião: Forró Sinfônico, que reuniu ontem a Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA) e dois sanfonistas solistas, a baiana Lívia Matos e o carioca Marcelo Caldi, na sala principal do Teatro Castro Alves (TCA).

O concerto, regido pelo maestro Carlos Prazeres, integrou o projeto Domingo no TCA e lotou o teatro, ocupando os 1500 lugares disponíveis (capacidade máxima do espaço). Do lado de fora, cerca de 200 pessoas não conseguiram ingresso para ver o espetáculo.

A apresentação homenageou grandes nomes da música nordestina, como Luiz Gozanga, Dominguinhos e Sivuca. O público acompanhou todas as músicas com palmas e teve até quem arriscasse uns passos de dança. Canções como "Asa Branca" e "Feira de Mangaió" foram cantadas em coro pela plateia.

O palco do teatro estava todo ornamentado com bandeirolas e lampiões coloridos. Além disso, os músicos vestiram os típicos trajes juninos, transmitindo a atmosfera cultural do São João para o público, composto por pessoas de todas as idades.

A professora de teatro Marília França, 34, foi acompanhada do marido e da filha, de 10. "Está lindo, é maravilhoso ver um gênero tão popular ganhando um espaço clássico como o do teatro. Todo mundo que veio comigo está amando essa celebração da cultura nordestina".

Um casal de dançarinos do grupo de forró Cabroeira incrementou o espetáculo coreografando "Gostoso Demais", de Dominguinhos. "Eu sei que vocês estão morrendo de vontade de levantar e dançar também, mas o momento vai chegar", brincou o maestro Carlos Prazeres com o público.

A orquestra também executou melodias românticas como "Abrir a Porta" e "A Rota do Indivíduo", também de Dominguinhos.

Orquestra fez apresentação com clássicos do São João
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)


Gratidão, desabafo e protesto
Antes do fim da apresentação, Carlos Prazeres agradeceu a equipe do TCA e ao Governo do Estado, que patrocinou a iniciativa. "Essa orquestra estava quase morrendo, não paramos por muito pouco. Vivemos em um momento complicado para a cultura, várias orquestras estão fechando e músicos não recebem salários", lembrou o maestro.

O público aplaudiu a declaração do regente e puxou um coro de "Fora Temer", em protesto contra o atual presidente da república, Michel Temer. Para finalizar, a orquestra convidou o público para dançar ao som de "Pagode Russo" e "Olha pro céu", de Luiz Gonzaga. O público então improvisou uma alegre quadrilha junina.

Ana Pereira, estudante de publicidade, 25, saiu de Vilas do Atlântico para assistir ao concerto e não se arrependeu: "Vim com meu namorado, ele pensou que seria chato, mas se acabou de dançar comigo. Já queremos outra edição".

Já o aposentado Geraldo Conceição, 70, afirmou que também gosta de música clássica e que não costuma perder os concertos da OSBA. “Eu venho toda vez, porque moro aqui no Centro. O preço acessível também facilita”.

Os sem ingresso
Várias pessoas que chegaram ao TCA para assistir ao concerto junino ficaram de fora porque os ingressos, vendidos ao preço simbólico de R$ 1, esgotaram rapidamente. Foi o caso da pedagoga Josenilda Almeida, que demorou cerca de uma hora para chegar ao teatro e não conseguiu mais ingresso. “Agora, vou ter de voltar para casa”, lamentou.

Com as amigas Paloma Carmalho, 29, e Joana Almeida, 25, não foi diferente. Elas saíram da Boa Vista de São Caetano, mas não conseguiram entrar para ver o espetáculo. “Eu cheguei aqui depois das 10h, mas não vou poder assistir. Eles deveriam avisar antes”, disse a professora Paloma.

Funcionário do TCA, Maurício Almeida explicou que a sala principal do teatro só tem capacidade para receber 1,5 mil pessoas. “Não teve como todo mundo entrar porque o espaço já estava lotado”.

*Colaborou Milena Hildete