Médico suspeito de matar ex é preso após postar selfie em igreja

brasil
12.01.2018, 14:06:00
Atualizado: 12.01.2018, 14:09:26

Médico suspeito de matar ex é preso após postar selfie em igreja

Ele foi localizado no interior de Goiás

Foto de médico em igreja de Anápolis foi postada por ele mesmo em rede social (Foto: Reprodução)

O médico Álvaro Ferreira, suspeito de matar a professora Danielle Christina Lustosa Grohs em dezembro, foi preso em Goiás por policiais de Tocantins que o monitoraram por uma semana. Álvaro foi localizado depois de postar uma selfie dentro de uma igreja. Ele será transferido para Palmas ainda nesta sexta.

Foragido, o médico chegou a mandar mensagens para a mãe da vítima, responder comentários em rede social e chegou até a conceder entrevista pelo telefone. Ontem à noite, ele acabou preso depois de postar no Facebook uma foto dentro da igreja Nossa Senhora da Conceição, em Anápolis.

Álvaro estrangulou a ex-mulher, de quem se separava de maneira conturbada, já que ele não aceitava o fim da relação. O corpo dela foi achado em 18 de dezembro, dentro de casa. O médico chegou a ser preso no sábado (16), depois de invadir a casa e tentar esganar a ex-mulher. Ele foi solto na audiência de custódia no domingo, sem pagamento de fiança, e voltou para matar a professora. 

O advogado de Danielle, Edson Monteiro de Oliveira Neto, diz que o ex-marido já tinha ameaçado a professora de morte outras vezes. Foi ele quem chamou a polícia no dia 18, ao tentar contato com a cliente o dia todo sem sucesso. A polícia invadiu a casa da vítima e já a encontrou sem vida, na cama. 

No dia 16, Danielle mandou várias mensagens ao advogado depois de ser ameaçada pelo ex-marido. Ela pede que o defensor a ajude a conseguir uma medida protetiva. "Aonde é que você está? Eu preciso de você! O Álvaro acabou de me agredir novamente e eu preciso ir na delegacia para fazer uma medida protetiva novamente. Eu preciso de você aqui, eu preciso conversar com você. Aonde é que você está? Eu preciso que você venha aqui em casa, na frente aí, para a gente resolver isso aí.", diz ela, em áudio enviado ao defensor. No áudio, a professora afirma que o médico tentou matá-la. "Ele acabou de me agredir novamente. Ele quase me matou desta vez, entendeu? Então eu preciso que você me ajude agora, por favor. Aonde é que você está?"

A professora também deu detalhes sobre o que aconteceu. "Ele pediu para eu falar para ele. Pra eu dizer: meu amor, volta para casa. Que eu estou com saudades de você, que você é a minha vida, que você é a minha família. Volta para casa. Ele queria que eu escrevesse isso para ele", relata. 

Os áudios foram incluídos no inquérito que corre na Delegacia de Homicídios.