Neurologista reforça importância de saber prevenir o AVC e controlar fatores de risco

saúde
13.07.2017, 05:55:00
Atualizado: 26.07.2017, 09:11:26

Neurologista reforça importância de saber prevenir o AVC e controlar fatores de risco

Diagnóstico rápido e início célere do tratamento reduzem significativamente chances de complicações

Neurologista reforça importância de saber prevenir o AVC e controlar fatores de risco (Foto: BaPress)

Mais conhecido popularmente como derrame, o AVC (acidente vascular cerebral) é geralmente causado pela obstrução (isquêmico) ou ruptura (hemorrágico) das artérias que irrigam o cérebro. Mesmo se tratando da doença que mais mata e incapacita a população no país, parcela considerável da população ainda desconhece os sintomas do AVC. Os especialistas alertam que esse desconhecimento costuma prejudicar o tratamento e a prevenção da doença.

Davidson França, neurologista do Hospital Santa Izabel, alerta que é importante a população ter ciência de que o diagnóstico rápido do AVC e o início célere do tratamento reduzem significativamente as chances de complicações, o desenvolvimento de sequelas e até o risco de morte.

"É muito importante a pessoa saber detectar o AVC. Quanto menor o tempo entre o aparecimento dos sintomas e o começo do tratamento adequado menor a lesão cerebra.l Ao contrário do que uma parcela da população pensa essa é uma doença tratável", diz França.

A divulgação continuada de avaliar o sorriso, o abraço, o cantar para identificar alterações repentinas e o ato de acionar uma ambulância ou transporte o mais rápido possível tem contribuído, segundo o especialista, para uma sensível melhora da resposta do público aos sintomas de um AVC.

Os sinais e sintomas de um AVC, geralmente, são fraqueza, diminuição da coordenação motora, dormência repentina de um lado do corpo, perda visual repentina, dificuldade para falar e entender, tontura e dor de cabeça muito forte e persistente sem motivo aparente. Esse sinais e sintomas, que podem ser únicos ou combinados, costumam surgir de forma súbita.

A maioria dos derrames ocorre em maiores de 65 anos. Entretanto os especialistas tem alertado que o acidente vascular cerebral tem atingido um número cada vez mais expressivo de jovens. Uma das explicações é uma maior exposição a fatores considerados de risco a exemplo de colesterol alto, diabetes, sedentarismo, tabagismo, obesidade e hipertensão.

O fato de não estar se sentindo mal, acrescenta Davidson França, não é uma garantia que a pessoa esteja realmente bem de saúde. "Por isso é importante fazer avaliação médica periódica com medição da pressão e uma busca dos fatores de risco para não ser surpreendido com o AVC", diz o neurologista.

Neurologista reforça importância de saber prevenir o AVC e controlar fatores de risco (Foto: BaPress)

Atenção especial
O Serviço de Neurologia do Hospital Santa Izabel funciona em regime 24 horas e oferece atendimento integral e multidisciplinar, desde consultas especializadas, serviços ambulatoriais até o pronto atendimento, hemodinâmica e UTI neuroclínica.

Em todas as etapas de atendimento, o paciente encontra uma atenção especial da equipe de neurologistas, neurocirurgiões, clínicos e neuroradiologistas, que trabalham de forma integrada para garantir excelência nos diagnósticos, tratamentos resolutivos, reabilitação qualificada e prevenção.