2019 será melhor, mas não vai ser fácil

marketing & negócios
22.01.2019, 05:00:00

2019 será melhor, mas não vai ser fácil

Apesar das excelentes perspectivas para este ano, em função da renascença da mídia e da economia brasileiras, a vida das empresas e marcas não será nada fácil

Na coluna da semana passada, observei que estamos no limiar de duas renascenças para a atividade publicitária: o fortalecimento da mídia "tradicional", inclusive com a colaboração do digital, e da economia de mercado, pela anunciada reorientação da política econômica pública.

Os sinais de retorno da crença da mídia "tradicional" é um fenômeno global que vem desde o ano passado e será acelerado em 2019. No caso do mercado nacional, as perspectivas de profundas mudanças e de um período de grande aceleração dos negócios estão na base da nova política econômica, nos propósitos e no perfil nos novos responsáveis pela sua gestão macro.

Esse esperado período de vacas gordas não vai cair do céu, porém, nem significar uma vida fácil para os gestores das organizações e marcas, incluindo seus dirigentes comerciais e de marketing e comunicação.

Isso porque considerando a situação que se anuncia, as empresas e marcas precisarão, mais e mais, cativar os corações, convencer as mentes e estimular os dedos, ou seja, motivar as ações dos prospects, consumidores e clientes. O que significa, para o mercado publicitário, uma situação com certeza bem melhor que nos últimos anos, mas que será mais complexa e difícil, uma vez que operar no novo ambiente - para anunciantes, agências e veículos - demandará mais esforços e assertividade.

À medida em que o mercado começar a voltar, timing e aceleração serão vitais, pois a demora em mudar de atitude e voltar a investir com maior vigor na disputa pelos consumidores pode levar as marcas retardatárias a perder ótimas oportunidades.

As empresas – que disputam, neste momento, o pagamento das dívidas, novos investimentos ou mais consumo – precisam estar mais ativas do que nunca, para não perder seu lugar na maratona que se inicia, que terá aumentada a velocidade e intensidade média de competição.

Porque as bases de mercado foram modificadas nesses anos de dificuldade, de evolução tecnológica e de emponderamento dos consumidores, com um expressivo aumento da competição cruzada e da própria eficiência dos concorrentes.

Os consumidores mudaram de visão, comportamento e hábito, novas categorias e sub-categorias de mercado foram criadas e inúmeras novas marcas passaram a existir.

Há, também, um número maior de “bocas para comer” interna e externamente às organizações e todos irão disputar ferozmente cada Real existente ou que venha a existir.

Competidores diretos e, principalmente, indiretos estão ou estarão na disputa em número cada vez maior, empregando estratégias e táticas tradicionais e inovadoras com maior pressão.

Com isso constataremos, uma vez mais, que as soluções mais eficientes podem não ser as mais eficazes e novos padrões de pensamento, estruturação de planos, sua aplicação e mensuração precisarão ser aplicados, com mais esforço e precisão que antes.

Quando o mercado era menos complexo e havia menos soluções, não era difícil escolher a melhor delas. Agora, é exatamente o contrário. Uma dificuldade comum no marketing e publicidade tem sido a estruturação de soluções mais eficientes no curto prazo, mas que podem comprometer a eficácia no longo prazo.

Por isso o recomendado é, evidentemente, empregar um mix otimizado do passado e do presente para assegurar o futuro, pois é certo que nem tudo que é antigo funciona menos ou deixa de funcionar e nem tudo que é novo funciona ou é melhor.

A sabedoria está em fazer esse mix otimizado do tradicional com o novo para construir o amanhã com maior solidez. O que demandará colaboração mais intensa e ativa entre anunciantes, agências e veículos - tema do terceiro artigo desta série.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/incendio-destroi-igreja-de-monte-santo-imagem-de-jesus-cristo-fica-intacta/
Cidade não tem corpo de bombeiros e moradores apagaram o fogo
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-9-dias-internado-mc-sapao-morre-ao-40-anos-de-pneumonia/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nino-curte-parodia-feita-pela-torcida-e-foca-na-final-do-baiano/
Bahia decide o estadual contra o xará de Feira no domingo (21), às 16h, na Fonte Nova
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/show-em-praia-do-forte-reune-wesley-safadao-gabriel-diniz-e-banda-eva/
As apresentações acontecem nesta sexta (19) e esquentam o clima do São João no estado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/thais-fersoza-diz-que-filhos-nao-vao-ganhar-ovos-de-chocolate-na-pascoa/
A atriz prepara trufas com tâmaras, ameixas, nozes, amêndoas e cacau em pó
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gloria-bell-mostra-que-ha-muita-vida-alem-dos-50-anos/
Julianne Moore é a protagonista em remake de comédia chilena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/jason-momoa-faz-a-barba-pela-primeira-vez-em-sete-anos/
A campanha tem o objetivo de difundir o uso de alumínios recicláveis
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/imagens-mostram-jogador-daniel-sendo-empurrado-ao-sair-de-boate/
Segurança contou que ele tentou "importunar menina"; cena é de horas antes de crime
Ler Mais