A enfermeira baiana que virou fotógrafa preferida de Bethânia, Caetano e Roberto

entretenimento
04.09.2021, 04:57:00
(Foto: (Acervo Pessoal de Thereza Eugênia))

A enfermeira baiana que virou fotógrafa preferida de Bethânia, Caetano e Roberto

Prestes a completar 82 anos, Thereza Eugênia disponibiliza em livro luxuoso registros marcantes de personagens da MPB

“Em 1970 a assessora de Roberto Carlos, Ivone Kassu, me pediu para fazer fotos do show que ele estreava no Canecão. Eu não tinha uma lente adequada, ela me disse : peça emprestada a do gerente do Canecão, que depois, questionou a Ivone: como você manda uma pessoa fotografar Roberto Carlos que não sabe nem segurar uma máquina fotográfica! Acontece, e daí, RC escolheu esta foto para capa do seu LP. O importante é que emoções eu vivi! Parabéns, RC, vida longa e continue a nos emocionar! Jesus Cristo, Jesus Cristo eu estou aqui”.

Esse depoimento é da baiana, nascida em Serrinha, Thereza Eugênia, enfermeira de formação que se encontrou também na arte de registrar com suas lentes uma época de ouro da chamada MPB. 

Prestes a completar 82 anos dia 15 de outubro, e em plena atividade, ela acaba de lançar um dos livros mais comentados entre produtores, artistas e, claro, fotógrafos. É o “Thereza Eugênia Portraits 1970-1980” (Barléu Edições Limitadas), organizado por Augusto Lins Soares e prefácio do compositor, escritor, poeta e imortal da Academia Brasileira de Letras, Antônio Cicero, irmão da cantora Marina Lima.

Desde que chegou ao Rio de Janeiro em 1964, aos 25 anos, a vida de Thereza se transformou. A vivência com amigos baianos que também se deslocaram para o eixo Rio-São Paulo coincidiu com a efervescência cultural que tomava conta do Brasil nos anos 1960 e 1970, foi o ambiente ideal para ela entrar de corpo e alma na profissão de fotógrafa, em paralelo ao seu trabalho como enfermeira, e se transformar numa das profissionais mais disputadas e celebradas até hoje.

Gal Costa no deslumbrante Gal Tropical, no Rio (Foto: Acervo pessoal de Thereza Eugênia)

O mais intrigante é que só agora, depois de muitos pedidos e cobranças, depois que ela ativou sua conta no Instagram e começou a postar suas raridades, que, finalmente, chegou o livro que está dando o que falar, não só em elogios como em vendas.

E não é para menos. Em 192 páginas se encontra um painel da história da MPB. Tem fotos icônicas como a de Caetano Veloso com uma reluzente pena de pavão que aparece na capa, até uma Maria Bethânia com um ar sereno na contracapa e num raro momento de inimidade nadando na piscina.

A primeira parte do livro, em ordem alfabética, começa com a Marrom Alcione e segue com Angela Ro Ro, Caetano Veloso (o mais fotografado por suas lentes), Chico Buarque, Clara Nunes, Fafá de Belém, Raul Seixas, Rita Lee, e por aí vai.

Tem momentos históricos dos grandes shows de Gal Costa, Maria Bethânia dos bailes e festas promovidos por Guilherme Araújo (primeiro empresário de Caetano, Gal, Gil e Bethânia)

Na segunda parte, algumas fotos afetivas como as de Gilberto Gil e sua terceira mulher, Sandra Gadelha (antes ele foi casado com Belina e Nana Caymmi), e o saudoso Pedro Gil; ele com Flora Gil.

Caetano Veloso com Dedé, sua primeira mulher e mãe de Moreno Veloso, e com a atual Paula Lavigne. Dorival Caymmi e Gal Costa; os irmãos Wally e Jorge Salomão, além de seu amigo o produtor e compositor Paulinho Lima; Jorge Mautner e seu parceiro Nelson Jacobina. Ney Matogrosso. A beleza esfuziante de Zezé Motta. Gonzagão e Gonzaguinha. Simone. Enfim, o que se costuma chamar de a nata da música brasileira em fotos todas em preto e branco que marcaram uma época, guardadas no valioso Baú de Thereza, que pretende fazer um lançamento em Salvador quando tudo isso passar.

Em conversa com o Baú do Marrom direto de sua casa, no Rio, Thereza Eugênia não escondeu a felicidade com o sucesso e fez questão de pontuar e agradecer: “Este livro surgiu dos curtidores do meu Instagram me cobrarem. Estou muito feliz com o resultado porque eu sinto que só tenho tido elogios. Mas eu só fiz mesmo porque o Augusto Lins Soares, que fez os livros de Chico Buarque e de Dom Helder Câmara, eu vi que o trabalho dele é precioso. Então, achei que já estava na hora de agradar a galera do Instagram.”

A fotógrafa Thereza Eugênia (Acervo Pessoal)

E para deixá-la mais feliz, Thereza revelou um recado que recebeu do pesquisador Renato Contente que está fazendo uma reportagem sobre seu livro para uma revista. Ao entrevistar Bethânia, ela respondeu: “Thereza não era só minha fotógrafa. Era minha amiga. Eu tinha uma relação carinhosa com ela”. Olha que bacana, comemorou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas