'A final está aberta', avalia técnico do Bahia sub-20

esportes
28.12.2020, 20:36:00
Atualizado: 28.12.2020, 21:13:57
Eduardo Guadagnucci, no centro, conversa com Allan (esq) e Felipe Pará (dir) na partida contra o Vasco (Felipe Oliveira / EC Bahia)

'A final está aberta', avalia técnico do Bahia sub-20

Eduardo Guadagnucci comanda o tricolor, que perdeu do Vasco por 2x1 na ida

Após a derrota para o Vasco pelo jogo de ida da final da Copa do Brasil Sub-20 no domingo (27), o treinador da categoria, Eduardo Guadagnucci, afirmou que a derrota se deu, pelo fato da equipe não ter colocado em prática o jogo que vinha desempenhando na competição. 

Ao contrário das partidas contra o Palmeiras nas semis, e até o segundo jogo contra o São Paulo, pela fase anterior, o Tricolor deixou de se impor em campo com a posse de bola e apostou na velocidade das jogadas laterais.

“A gente criou várias oportunidades de outras maneiras que não as que vínhamos criando nos jogos. Não tem como tirar o mérito do Vasco, eles analisaram nossa equipe e isso causou dificuldade para nós. Mas os meninos [do Bahia] foram maduros e encontraram outros espaços em campo”, disse o Guadanucci em entrevista.

Apesar da dificuldade, o técnico acredita que a final está em aberto e o Bahia tem condições de levantar a taça inédita para o clube. “Ninguém chega na final à toa. Temos condições de fazer um bom jogo e sair com o título”.

Por ser uma final, o comandante lembrou da carga de nervosismo que o elenco carregou, impedindo de “sermos nós mesmos dentro de campo”, afirmou. “É uma coisa que vamos corrigir. Isso impactou no resultado, por isso temos que manter a cabeça fria e jogar o que vínhamos jogando”.

O jogo de volta será dia 3 de janeiro, em São Januário, no Rio de Janeiro. Sem a torcida nas arquibancadas, a missão de fazer um resultado de dois gols de diferença para ser campeão pode parecer mais fácil, mas isso nem passa pela cabeça do comandante.

“Nunca frisamos o mando de campo. Queremos que eles apliquem o que a gente treina, o conceito que passamos de agressividade. Mas a questão de mando é o que menos importa, temos que resgatar nosso futebol, que é com posse de bola e com linhas mais próximas”, analisou.

Para a partida, o Bahia não terá um de seus principais homens de meio-de-campo. Patrick de Lucca levou cartão amarelo contra o Vasco e cumprirá suspensão na partida de volta. Sobre o substituto ainda não definido, Eduardo destacou que o importante é manter o desempenho coletivo.

“Temos bons jogadores individuais, mas temos que valorizar o coletivo. Chegamos nesse nível porque o coletivo funcionou. A  peça que entrar vai desempenhar uma boa função e jogar melhor do que no jogo de ida”, conclui. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas