"A hora é da pecuária", dizem os especialistas

minha bahia
16.04.2019, 18:00:00
((Foto: Georgina Maynart))

"A hora é da pecuária", dizem os especialistas

A crescente demanda mundial por proteína animal incentiva a produção de carnes

Depois de amargar quedas constantes no rebanho, devido principalmente a vários períodos de seca, a criação de animais para abate desponta como uma das mais promissoras oportunidades de novos negócios. E muitos especialistas já apontam a pecuária como o segmento do agronegócio com maior tendência de crescimento no Brasil. O mercado internacional é o grande nicho a ser explorado. O crescimento do consumo de carne nos países asiáticos seria um dos fatores principais desta expansão.

O assunto foi um dos destaques do Agro em Pauta, evento realizado na segunda-feira (17/04) em Salvador, na sede da Federação de Agricultura e Pecuária da Bahia. 

Debate sobre as perspectivas do agronegócio brasileiro reuniu representantes da CNA e especialistas em Salvador. (Foto: Ricardo Passos Faeb/Senar)

O evento foi promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em parceria com os Sindicatos dos Produtores Rurais e o Sebrae, contou com a presença de agricultores, pecuaristas, sociedade civil e representantes de entidades governamentais.

“Nós tivemos o boom da agricultura, que vai continuar se desenvolvendo. Mas agora vai acontecer o mesmo com a pecuária. Já temos reflexo disso. Um exemplo foi a seca tremenda que nós enfrentamos na Bahia, mas não faltou carne, nem faltou leite, por causa da evolução no rebanho do país. Isso vai continuar numa velocidade ainda maior. A agropecuária não será a mesma daqui a cinco anos”, afirma João Martins, presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Para acompanhar estes novos tempos, os investimentos em tecnologia e assistência técnica vão ser intensificados com investimentos que somam R$ 1 bilhão. Os recursos vão ser disponibilizados para pequenos produtores rurais de todo o país, através de ações conjuntas realizadas pelo Ministério da Agricultura, a CNA, o Sebrae e o Senar.

“Não resta dúvida que o Brasil é agro, mas precisa ser mais competitivo. E não dá mais para produzir sem tecnologia e sem gestão. Por isso nos preocupamos em capacitar o produtor rural. O sistema Faeb/Senar tem várias ações neste sentido”, diz Guilherme Moura, vice-presidente administrativo da FAEB.

Os problemas enfrentados da porteira para fora são apontados como as principais barreiras para o desenvolvimento do setor. Os produtores rurais reclamam dos custos de produção, da polêmica envolvendo a tabela de frete, da falta de logística eficiente e da insegurança jurídica na concessão dos licenciamentos ambientais.

“O nosso principal desafio é modernizar a política agrícola. O modelo que temos hoje não está à altura da importância da agricultura brasileira. Temos que desburocratizar, fortalecer o seguro rural, criar uma política agrícola plurianual com planejamento de longo prazo e resolver as questões fundiárias. Todas estas questões interferem diretamente na produção”, aponta Bruno Lucchi, Superintendente Técnico da CNA.

Cenário mundial favorece produção interna

O engenheiro agrônomo e doutor em economia aplicada, Alexandre Mendonça de Barros, considerado um dos mais importantes analistas do país, também participou do evento. Ele analisou o cenário econômico mundial, as perspectivas da agropecuaria no Brasil e as principais ameaças para o desenvolvimento do setor. Em entrevista ao Correio* ele falou ainda sobre as expectativas de crescimento do agro no Nordeste. 

Alexandre Mendonça de Barros defende reforço na vigilância e aumento na produção para atender demanda mundial por alimentos. (Foto: Ricardo Passos Faeb/Senar)

*O senhor tem demonstrado uma grande preocupação com as doenças que tem afetado rebanhos do mundo inteiro, como a Peste Suína Africana que vem dizimando os rebanhos da China e de outros países asiáticos. Por que?

“A Peste Suína Africana ainda não chegou aqui. Ela está restrita a África, ao Leste Europeu e a Ásia. Mas ela é mais devastadora do que a Peste Suína Clássica que já está no Brasil. A PSA é muito agressiva. Ela não é transmitida aos humanos, mas já dizimou pelo menos 20% do rebanho chinês. Nós estamos protegidos pelo mar, mas existe uma barreira que nós precisamos manter para evitar que a doença apareça nas américas. O que está acontecendo é um problema muito sério de controle. Ter uma vigilância sanitária que possa evitar a entrada desta doença deve ser uma questão prioritária e relevante. O vírus sobrevive até na carne, então deve ser feita uma fiscalização rigorosa, inclusive nos navios que vem da Ásia para cá trazendo outras cargas, ou nos passageiros que possam trazer comida nos aviões”.

*Até que ponto o senhor acha que isto pode influenciar na pecuária brasileira, a curto e médio prazo?

“A China consome 114 milhões de toneladas da carne suína produzida no mundo. Sozinha ela produz 54 milhões de toneladas e importa outros 2 milhões de toneladas. Ou seja, praticamente metade da produção mundial de carne suína é dos chineses, assim como metade do consumo. Mas pelo menos um terço do rebanho de lá já teve que ser abatido. Neste momento, ainda há um excesso de carne no país, mas vai haver um buraco gigante na oferta num futuro bem próximo, daqui a uns oito meses. Isso vai pressionar as exportações internacionais de todas as carnes, seja de frango, boi ou suínos. E também vai abrir uma enorme oportunidade para o Brasil exportar mais carne para a Ásia. Semana passada o Camboja já reportou peste suína africana, assim como o Vietnã. Por isso, tudo indica que se esta doença não assolar também o Brasil, esta situação abrirá uma excelente oportunidade de exportação”.

*Porque podemos afirmar que está é a hora da pecuária, já que a produção de grão também deve continuar crescendo?

"Acho que é mais a hora da pecuária. Caindo a produção chinesa de carnes, também cairá a demanda por soja. E os chineses ainda são os maiores compradores de soja do mundo, principalmente para ração. Por isso vai sobrar mais soja num curto prazo, e neste primeiro momento os outros países devem sentir os efeitos da queda no consumo na China. Entretanto a médio prazo, quando o rebanho chinês for reconstruído, a demanda pelo grão voltará forte. Por isso o momento é mais favorável a produção de carne do que aos grãos".

*O impasse da soja envolvendo China e Estados Unidos ainda continua, e isso tem deixado os produtores brasileiros cautelosos para negociar a safra que está sendo colhida. Chineses e americanos ainda não resolveram as questões tarifárias e cambiais. O que esperar deste embate?

“Acredito que haverá uma negociação em bom termo tanto para os Estados Unidos, quanto para a China, porque ambos estão precisando. Os produtores americanos estão sofrendo demais com a queda no preço dos grãos, e o frio extremo também não vem ajudando. Já houve destruição de muitos armazéns e de ativos das fazendas. O fazendeiro americano tem pressionado muito o governo americano para chegar a um acordo com os chineses. Ao mesmo tempo, o que está se desenhando na China mostra que eles vão precisar importar carne americana. Os dois lados estão se movimentando. Mesmo que demorado, mas este acordo vai sair. E assim que isso acontecer, nós vamos começar a ver os chineses buscando novas plantas brasileiras. Na minha opinião os chineses estão esperando o acordo com o EUA para depois “abrir as portas” para o Brasil”.

*E quais as expectativas comerciais para a produção aqui do Nordeste, principalmente do Matopiba (região que envolve parte do oeste da Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins)?

“É uma região que tem um potencial enorme, e a soja deve continuar aparecendo com grande destaque, porque foi o grão que a China importou primeiro. Mas a partir de agora podemos ter uma onda de produção também movida para a pecuária. Sem contar obviamente que a há uma diversidade, com um contingente também de frutas e de outros produtos que os chineses ainda não são grandes compradores. Neste caso o mercado interno é relevante, mas há um viés exportador que deve melhorar”.

*O que precisa melhorar de forma mais imediata na produção brasileira?

“Nos últimos 17 anos o Brasil se transformou em um dos maiores saldos comerciais em produtos agrícolas do mundo. Nós estamos vivendo um momento transformacional na agricultura mundial. Um momento raro, onde devem surgir oportunidades de ouro. Mas quando falamos em aumentar a produção, isto envolve tecnologia, principalmente irrigação. Nós precisamos usar melhor e adequadamente a água para ampliar este potencial produtivo. Temos também que recuperar a economia e diminuir o desemprego que dificulta o consumo. É necessário ainda combater o rombo fiscal, fazer a reforma da previdência, e equilibrar as contas públicas, para termos estabilidade. Se não estancarmos esta sangria, a dívida vai explodir, a inflação voltará e o resto se desfaz”.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cristiano-ronaldo-vira-meme-ao-protagonizar-comercial-asiatico/
Astro português aparece dançando e é ignorado por torcida na propaganda de TV
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/jota-quest-apresenta-turne-acustica-nesse-domingo-18-na-concha/
Show será a despedida do Saideira Acústico Tour em solo soteropolitano
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ivan-da-ponte-descobre-em-aviao-que-foi-convocado-veja-video/
Goleiro foi avisado que estava na lista de Tite para a Seleção pelo piloto: 'Não dá nem para acreditar'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/normani-ex-fifth-harmony-lanca-seu-primeiro-single-solo/
Motivation chegou na madrugada dessa sexta (16), e está disponível em todas as plataformas digitais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/jumento-e-amarrado-em-caminhonete-e-arrastado-por-rua-de-barreiras/
Além de maus-tratos, motorista responderá também por insegurança viária
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-entra-em-coma-apos-levar-murro-no-rosto-de-ciclista-em-feira-de-santana/
Agressor foi à delegacia e apresentou relatório que comprova transtornos mentais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/operacao-cumpre-19-mandados-de-prisao-na-ba-alvos-sao-do-pcc/
Segundo o Ministério Público, 12 foram presos no estado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/tarantino-reune-brad-pitt-e-leo-dicaprio-em-filme-de-pouca-inspiracao/
'Era Uma Vez em... Hollywood' homenageia a indústria do cinema dos anos 60 e também a trágica e bela atriz Sharon Tate
Ler Mais