'A referência te faz acreditar que é possível', diz cantora Paula Lima

entretenimento
11.09.2020, 20:06:00
Atualizado: 11.09.2020, 20:25:36
(Imagem: Reprodução/Instagram)

'A referência te faz acreditar que é possível', diz cantora Paula Lima

Artista citou cantoras negras que lhe inspiraram a seguir carreira na arte: Alcione, Sandra de Sá, Ella Fitzgerald e Elza Soares

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Considerada diva da soul music e vencedora do Troféu APCA por seu programa “Chocolate Quente”, de popularização da música negra, a cantora paulistana Paula Lima foi a dona da voz na segunda edição do projeto Conexões Negras, do jornal CORREIO, apresentado pela colunista Midiã Noelle nesta sexta-feira (11). No bate-papo, Paula comentou sobre a sua formação como artista e como a existência de referências negras na música a fez crer que também podia tentar ganhar a vida nessa carreira. 

A cantora contou que começou a estudar piano aos sete anos e, em determinado momento, precisou escolher entre a vida formal, aparentemente mais segura, e o sonho de cantar.

“A minha mãe, vendo que eu respirava música foi me dizendo que era importante ter um plano B e me aconselhou a terminar a faculdade para chegar no setor musical de forma mais tranquila porque, se tudo desse errado, eu teria para onde voltar”, disse ela, que já foi indicada para os prêmios Grammy Latino, Multishow de Música Brasileira e Tim de Música.

Paula falou ainda sobre como o Brasil dá poucas possibilidades para que as pessoas se tornem artistas, especialmente as pessoas negras. Ela aproveitou para citar cantoras negras que a inspiraram a seguir o caminho da música, como Ella Fitzgerald, Alcione, Sandra de Sá, Elza Soares, entre outras, e defendeu a importância da representatividade como ferramenta de transformação social.

“A referência te faz acreditar que é possível e isso tem um peso muito grande na vida. Eu poderia ter sido outra coisa não ligada às artes, mas estou aqui porque existia referências e existo por conta delas”, declarou.

A live com a cantora apresentou problemas técnicos com o áudio em função da conexão de internet e foi encerrada antes do previsto. Ela voltará a conversar com o Conexões Negras na próxima sexta-feira (18), às 19h, logo após a live com promotora Lívia Vaz, do Ministério Público da Bahia (MP-BA), que falará sobre os caminhos para lutar pela igualdade social. O programa é transmitido ao vivo pelo Instagram @correio24horas

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas