Acima de tudo na América: Flamengo é bicampeão da Libertadores

esportes
23.11.2019, 18:56:09
Atualizado: 23.11.2019, 21:21:08
Jogadores do Flamengo comemoram com a taça de campeão (Foto: Luka Gonzales/AFP)

Acima de tudo na América: Flamengo é bicampeão da Libertadores

Gabigol decide com dois gols nos minutos finais e vira sobre o River Plate em Lima: 2x1

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

23 de novembro de 1981, um dia que ficou marcado na história de todos os torcedores do Flamengo. Ali, com dois gols de Zico, o rubro-negro batia o Cobreloa e erguia, pela 1ª vez, o troféu da Libertadores. 

23 de novembro de 2019. Exatamente 38 anos depois, o time carioca voltava a disputar a final da competição, após anos e anos de frustrações. Quase quatro décadas de espera foram tão longas que dividiam quem lembrava da conquista do título - e falava, animadamente, das façanhas do time mágico do Galinho e companhia - dos que não eram vivos ou eram muito pequenos para recordar. Agora, todas as gerações de flamenguistas podem dizer que sabem o que é ser campeão do cobiçado torneio continental.

Com Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta e cia, o Flamengo de 2019 superou o River Plate, da Argentina, por 2x1 em Lima, no Peru, e levantou a Taça Libertadores pela segunda vez, neste sábado (23). E, como diria Galvão Bueno, foi um teste para cardíaco. A vitória só saiu nos acréscimos, de virada.

A jornada em campo começou frustrante. O Flamengo até iniciou atacando, mas não criava chances de perigo. Já o River mostrava seu poder de marcação - afinal, não era o atual campeão (e tetra no geral) por acaso. Com a postura de quem sabe o que é controlar os ânimos de uma decisão, o clube argentino viu Nacho Fernández cruzar fraco, na linha de fundo e, desatentos, Arão e Gerson deixarem a bola passar. Borré não: finalizou e abriu o placar, aos 14 minutos. 

O Flamengo sentiu o golpe. Irreconhecível, perdeu o domínio que sempre mostrou no Brasileirão e não fluía. 

Na ida aos vestiários, Jorge Jesus, certamente, deu bronca nos jogadores. E funcionou: o time voltou mais centrado, com a cabeça na partida. Passou a finalizar, fosse com  Bruno Henrique, Arrascaeta, Everton Ribeiro, Diego... Porém, por mais que algumas chances fossem muito boas, o gol não saía. E o cronômetro ia se aproximando dos 45 minutos da etapa final.

Quando tudo parecia difícil de mudar, a estrela de Gabigol brilhou. Aos 43, em um contra-ataque, Bruno Henrique encontrou Arrascaeta que, por sua vez, achou o camisa 9. Matador, empurrou para o fundo da rede e deixou tudo igual. Ali, a decisão iria para a prorrogação. Mas o atacante não queria isso. E, aos 46, aproveitou falha de Pinola, soltou uma bomba e garantiu o tão esperado bicampeonato.

O título deu ao Flamengo uma vaga no Mundial de Clubes, no Catar. A estreia será dia 17 de dezembro, contra o campeão da Ásia ou o Espérance, da Tunísia, no Estádio Khalifa, em Doha. Como diz a música que, incansavelmente, não para de ser cantada pelos flamenguistas: “agora seu povo pede o mundo de novo”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas