Adoráveis Mulheres mostra feministas no século XIX

entretenimento
09.01.2020, 05:30:00
(divulgação)

Adoráveis Mulheres mostra feministas no século XIX

Filme baseado em livro de Louisa May Alcott tem Emma Watson e Meryl Streep no elenco

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Adoráveis Mulheres é um velho conhecido do público, já tendo ganhado cinco adaptações para o cinema. Agora, é a vez de Greta Gerwig (Lady Bird/2017) levar para as telas a história criada pela escritora americana Louisa May Alcott (1832-1888).

O livro foi publicado em 1868, trÊs anos após o fim da Guerra Civil. Conta a história de quatro irmãs, crescendo durante a guerra. O pai está ausente, combatendo no front, e a mãe vira a fortaleza do lar. As irmãs são diferentes entre si, e Jo, inspirada na autora, desde logo revela seu pendor para a escrita.

Como nas outras versões, a atural é repleta de jovens atrizes promissoras: Saoirse Ronan (Jo), Eliza Scanlen (Beth), Emma Watson (Meg) e Florence Pugh (Amy). Saoirse, vale lembrar já havia atuado com Greta em Lady Bird e concorreu ao Oscar de melhor atriz na ocasião. E ainda tem a onipresente Meryl Streep.

As quatro irmãs revelam-se bem diferentes umas das outras: enquanto uma outra busca um marido rico, outra quer casar com um jovem mesmo que ele seja pobre e há ainda aquela que deseja viver sozinha para ter mais liberdade. Há ainda o desejo de ser pintora ou escritora, o que soava avançado demais para uma mulher em pleno século XIX.

Feminismo
“Eu tinha uma ideia muito específica do que se tratava: é sobre as mulheres como artistas e é sobre as mulheres e o dinheiro (...) Este filme parece mais autobiográfico do que qualquer coisa que eu tenha feito”, afirma Gerwig, que já perdeu as contas de quantas vezes leu o romance.

Como roteirista, Gerwig, para dar um tom mais feminista ao longa, se permitiu pegar uma frase de outro livro de Louisa May Alcott e colocá-la na boca de uma das irmãs: “Estou cansada dessa gente que diz que as mulheres são feitas para o amor, cansada mas também solitária. Sinto-me sozinha”.

Uma curiosidade: Laura Dern, que vive a mãe das protagonistas, venceu no domingo o Globo de Ouro de atriz coadjuvante por História de um Casamento, dirigido por Noah Baumbach, marido de Gerwig.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas