Advogado da família de empresário morto por Sheik quer imagens de câmera

bahia
28.06.2019, 18:16:00
Atualizado: 03.07.2019, 12:22:23

Advogado da família de empresário morto por Sheik quer imagens de câmera

Prefeitura de Santo Antônio de Jesus informou que HD com imagens foi entregue à polícia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Em busca de detalhes do assassinato do empresário William Oliveira, 28, que morreu  três dias após ser baleado pelo digital influencer Yuri Santos Abraão, o Iuri Sheik, 31, o advogado da família da vítima quer ter acesso às imagens registradas pelas câmeras da prefeitura de Santo Antônio de Jesus, cidade onde ocorreu o crime.

"As câmeras, segundo o gestor do setor de imagem da prefeitura, ainda não conseguiram ser resgatadas. Mas disseram que responderão ao ofício do delegado (Edilson Magalhães, responsável pelas investigações)”, diz o advogado Gabriel Bonfim afirmou

A prefeitura da cidade informou em nota, após a publicação dessa reportagem, que o HD com as imagens das câmeras de segurança de sua sede, que fica perto do local onde ocorreu o crime, "foi disponibilizado para a Polícia Civil assim que solicitado". O CORREIO tentou contato com o delegado hoje, sem sucesso. Segundo a Polícia Civil, Sheik confessou o crime nesta quinta-feira (27), durante depoimento. 

Gabriel Bonfim informou que ainda não teve acesso ao depoimento, o que deve ocorrer na semana que vem. Segundo ele, estão sendo estudadas os tipos de ações judiciaisque  serão tomadas, mas a prioridade no momento é buscar amparo psicológico para as filhas do empresário, uma com 41 dias de vida e as outras com 8 e 10 anos.

A motivação, segundo informações divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP), aponta para uma rixa antiga entre os grupos de amigos de William e de Sheik.

Embora tenha confessado a autoria dos disparos, o acusado não deu detalhes sobre como adquiriu a arma. Disse apenas que, após a fuga, a descartou na BR-101. A versão apresentada por Sheik e a origem da arma estão sendo investigadas.

Nesta sexta-feira, o Tribunal de Justiça da Bahia informou que Iuri Sheik responde a um processo na Vara de Relações de Consumo, desde agosto de 2018. A autora da ação, que tem o valor de R$ 3.400, é da empresa de táxi aéreo Henrimar, que não retornou ao contato do CORREIO para comentar o assunto.

 A reportagem tentou ainda falar com a defesa de Iuri Sheik, mas não houve retorno.

Prisão
Iuri Sheik se apresentou à polícia na tarde desta quarta-feira (26), três dias após o crime. Ele chegou à sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba, em Salvador, horas após a confirmação da morte de Will, de quem era desafeto.

Sheik era considerado foragido desde domingo, quando atirou em Will durante uma tentativa de cumprimento. Havia um mandado de prisão preventiva em aberto contra, que havia sido expedido na segunda (24). Na chegada ao DHPP, ele não falou com a imprensa, mas disse que a ocorrência destruiu sua vida. De origem humilde, Iuri tinha duas lojas de roupas, sendo uma no Cabula e outra na Estrada das Barreiras, onde o CORREIO este nesta quarta. No Instagram, é seguido por mais de 280 mil internautas.

(Foto: Alberto Maraux/Secretaria de Segurança Pública)

Ele se apresentou no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) à delegada Clelba Regina Teles, na Pituba,  com advogados. Questionado  sobre a arma utilizada no crime, Yuri disse ter perdido, depois da fuga.

Após se apresentar no DHPP, o acusado teve o mandado de prisão cumprido no Departamento de Polícia do Interior, na Piedade. De lá seguirá custodiado para o Departamento de Polícia Técnica para a realização de exames de corpo de delito e, em seguida, para o sistema prisional,

O caso é investigado pelo delegado titular da 4ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Santo Antônio de Jesus), Edílson Magalhães, que ouvirá o acusado ainda essa semana.

Relembre o caso
William Oliveira era um ex-sócio da banda de pagode Black Style. De acordo com o produtor Roque Bispo, a vítima foi baleada no peito duas vezes. Will chegou a ser operado e estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Geral de Santo Antônio de Jesus, para onde foi socorrido.

A infomação da morte foi confirmada pelo titular da 4ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Santo Antônio de Jesus), Edilson Magalhães.

“Nesse momento estamos ouvindo aqui os parentes da vítima na delegacia”, disse o delegado ao CORREIO nesta quarta. Iuri Sheik teve o mandando de prisão preventiva decretada no mesmo dia do crime (ver mais abaixo).

Iuri fez post no Instagram falando que contaria seu lado da história (Foto: Reprodução)

Rixa e recusa ao cumprimentar
William foi baleado por se recusar a cumprimentar Iuri Sheik. A mais nova versão para o crime foi apresentada nesta quarta, pela polícia, momentos antes da morte do empresário.

“Inicialmente, a versão que chegou para nós foi que havia acontecido uma briga de trânsito. No entanto, foi ouvindo as testemunhas que chegamos à nova versão do fato. Todos ouvidos até agora contam que Iuri estendeu a mão e William disse: ‘não vou dar a mão porque não gosto de você’. Então, Iuri foi no carro, pegou a arma e atirou”, contou o delegado Edilson Magalhães.

A recusa de Willian seria por causa de uma rixa antiga com o digital influencer. “Parece que foi coisa de fofoca, picuinha no meio artístico. O porquê da rixa não é o mais importante. O importante é o fato do cara ter atirado porque o outro não o cumprimentou. Isso é o fato imediato. Temos testemunhas que viram ele atirando”, complementou Magalhães.

Apesar de Iuri Sheik ter dito nas redes sociais que se apresentaria para dar sua versão, o delegado disse que até agora não recebeu nenhum contato do acusado. “Nem ele e nem o advogado dele procurou a gente. Sequer recebi uma ligação”, disse. 

Magalhães informou ainda que a polícia já tem imagens do digital influencer no dia do crime. “Não são imagens do disparo, mas o momento em que ele foge num carro. As imagens foram de uma câmera de um estabelecimento comercial, que foram cedidas pelo proprietário. Temos informações que na fuga o acusado pegou a BR-324”, detalhou. 

Em relação à investigação, o delegado disse que "o inquérito tem 30 dias (para ser concluído) e pode ser prorrogado por mais 30 a depender da situação". "Mas a gente acredita que conclua antes”, finalizou. 

Lojas
Iuri Sheik tem duas lojas de roupas masculinas na região do Cabula, denominadas Iuri Modas. O CORREIO esteve na manhã desta quarta-feira (26) nas duas unidades. A primeira, situada dentro no Shopping Plaza Cabula, está fechada há três meses. Na vitrine, a anúncio “passo ponto”. “Antes ele vinha aqui direto, mas era de poucas palavras. Quando queria, dava um ‘oi’”, disse o proprietário de uma loja vizinha, que preferiu não revelar o nome. 

Loja de Iuri estava fechada (Foto: Bruno Wendel/CORREIO)

Logo depois, o CORREIO esteve na segunda e mais antiga loja, na Estrada das Barreiras, logo após o GBarbosa. Segundo comerciantes da região, a loja está fechada desde sábado. “Ontem (terça) era dia de abrir. Sempre abrem às 9h, mas, depois desta confusão, ninguém aparece aqui desde sábado”, relatou o dono de um mercadinho das proximidades. 

Do outro lado da pista, a reportagem encontrou um dos funcionários, que disse que a loja não tem previsão de quando irá abrir. “Vai ficar por tempo indeterminado. Só isso que sei. Estou em contrato de experiência”, declarou.

Perguntado sobre o que achava sobre o envolvimento do dono das lojas no crime, ele preferiu não comentar: “Não posso falar nada, até porque sou novato”.

Hora do crime
Uma testemunha contou ao CORREIO que foi tudo muito rápido: "Ele chegou no local dando um cavalo de pau, parou o carro, olhou para o cara e atirou. O povo ficou assustado e saiu correndo".

Procurada, a Polícia Militar informou que duas equipes do 14º Batalhão interromperam uma festa de paredão que acontecia na noite de domingo (23), no Centro de Santo Antônio de Jesus, solicitando aos proprietários dos veículos que o som fosse desligado. Cerca de 10 minutos depois, os PMs foram acionados para um local próximo da ocorrência, com a informação de disparos de arma de fogo após um desentendimento entre dois homens.

"As guarnições já encontraram a vítima atingida por dois disparos sendo socorrida pelo Samu e, em seguida, encaminhada para o Hospital Geral de Santo Antônio de Jesus. Segundo testemunhas, o autor do crime fugiu imediatamente do local no veículo particular. Os PMs realizaram diligências, mas o suspeito não foi encontrado".

'Nunca se deram bem'
O produtor Roque Bispo disse que a vítima e o suspeito nunca se relacionaram bem. "Eu nunca entendi o porquê, mas não nunca se deram bem. Acredito que Sheik fez isso porque estava com muita cachaça na cabeça, não sei, não falei com ele depois disso", afirmou Roque, que diz ser amigo do suspeito.

Segundo ele, os dois moram em Salvador e teriam se encontrado, por acaso, em Santo Antônio de Jesus. Quanto à sociedade com a vítima, ele se limitou a dizer que Will já "não pertence mais à marca Black Style".

Will morava no bairro do Cabula, em Salvador, e era proprietário de uma loja na entrada da Engomadeira.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas