Agente de penitenciária e amigo são encontrados mortos com sinais de tortura

salvador
14.10.2016, 13:06:00
Atualizado: 14.10.2016, 16:48:28

Agente de penitenciária e amigo são encontrados mortos com sinais de tortura

Andrew Vieira, 33, e amigo foram sequestrados quinta-feira (13) próximo ao Cemitério Campo Santo, na Federação; corpos estavam na região do CIA

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dois homens foram encontrados mortos na região do CIA, na via Duas Torres, em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), na noite dessa quinta-feira (13). Policiais da 22ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Simões Filho) foram chamados para atender uma denúncia de homicídio e acharam dois corpos do sexo masculino no local.

Ontem, o CORREIO recebeu informações de que o agente disciplinar Andrew Trindade Vieira, 33 anos, havia sido sequestrado e foi encontrado morto, junto com um amigo, no mesmo local e horário da ocorrência policial, às 18h40. A Polícia Civil confirmou a identidade de Andrew e informou que a outra vítima se chamava Marcos Henrique Gomes Vidal.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), Andrew era contratado pela empresa Socializa, co-gestora do Conjunto Penal de Lauro de Freitas (CPFL). Ainda de acordo com a pasta, ele tinha pouco tempo de serviço na unidade e pouco contato com os internos do CPLF.

A Polícia Civil disse também que está investigando a autoria e a motivação do crime e pediu que os familiares procurem a 22ª Delegacia (Simões Filho).

Agente foi torturado e morto a tiros (Foto: Reprodução)

De acordo com um irmão de Andrew, o agente estava passando de carro próximo ao Cemitério Campo Santo, na Federação, onde morava, por volta das 11h30, quando foi abordado por três homens armados, que o sequestraram no veículo da vítima, um Toyota Corolla branco.

“Eles pediram celulares, joias, tudo o que ele tinha. Só conseguimos falar com ele 14h, quando já estavam pedindo o resgate. Depois disso não tivemos mais notícia de nada”, conta o homem que pediu para não ser identificado. Ele foi fazer a liberação do corpo de Andrew na manhã desta sexta-feira (14), no Instituto Médico-Legal Nina Rodrigues.

Ainda segundo o familiar, os criminosos ligaram para a namorada de Andrew pedindo R$ 100 mil para não matá-lo. À noite, o irmão recebeu, pelo celular, fotos do corpo do agente com sinais de tortura e marcas de tiros na cabeça ao lado do amigo, conhecido como Marquinhos, que também foi assassinado com as mesmas características. 

Conforme informou o irmão, Andrew estava trabalhando como agente há pouco tempo, cerca de dois anos. Ele não deixa filhos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas