Alemães protestam contra nacionalismo a uma semana das eleições europeias

mundo
19.05.2019, 19:58:00
Manifestação em Berlim (Foto: Omer Messinger/AFP)

Alemães protestam contra nacionalismo a uma semana das eleições europeias

Em Berlim, 20 mil manifestantes marcharam da icônica praça Alexanderplatz à Coluna da Vitória, no Parque Tiergarten

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Milhares de pessoas protestam neste domingo (19) em cidades da Alemanha, como Berlim e Frankfurt, em favor da Europa e contra o nacionalismo. O movimento acontece a uma semana das eleições europeias.

Na capital, Berlim, 20 mil manifestantes, segundo os organizadores, marcharam pelo centro, da icônica praça Alexanderplatz à Coluna da Vitória, no Parque Tiergarten.

Os desfiles também reuniram milhares de pró-europeus em cidades do interior, como Frankfurt (14 mil de acordo com a polícia), Hamburgo, Colônia e Munique.

As manifestações fazem parte da jornada de mobilização europeia "contra o nacionalismo" em vários países europeus. Em Viena, na Áustria, onde a coalizão governista entre conservadores e a extrema direita viveu uma forte derrota neste fim de semana, foram cerca de 2.500 manifestantes, segundo a polícia, 6 mil de acordo com os organizadores.

No sábado (18), milhares de manifestantes se reuniram em frente à Chancelaria para exigir novas eleições após o escândalo envolvendo o FPÖ, de extrema direita, cujo vice-premiê, Heinz-Christian Strache, foi forçado a renunciar.

As eleições europeias de 26 de maio, que provavelmente serão marcadas por uma alta abstenção e bons resultados para as formações nacionalistas, decidirão "a futura direção da União Europeia", segundo o slogan dos manifestantes alemães, que chamaram os europeus a "lutar contra o nacionalismo e por uma Europa democrática, pacífica e unida".

"Me manifesto para alertar que o que os governos estão fazendo na Hungria, na Polônia, na República Tcheca, e talvez mais tarde na Alemanha, é muito perigoso", disse Marius Schlageter, de 27 anos.

Renate Foigt, 74, faz parte de um coletivo de "Avós contra a Direita": "Estou aqui porque não quero reviver o que um sistema nacional-socialista já causou na minha vida. Isso jamais deve acontecer novamente".

Em um país onde Os Verdes têm avançado, mas onde a extrema direita defende ideias duvidosas quanto ao clima, os simpatizantes ecologistas se mobilizaram em grande número, exibindo cartazes com inscrições como "O clima não conhece fronteiras" e "As abelhas não votam, mas você, sim!".

Os partidos nacionalistas, que organizaram no sábado (18) em Milão um grande evento contra a imigração, o Islã e a "oligarquia" de Bruxelas, esperam fazer do grupo Europa das Nações e Liberdades (ENL) a terceira força do Parlamento Europeu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas