Alexandre Augusto lança livro Mulheres de Pedra nesta terça (13), em Salvador

entretenimento
12.11.2018, 19:15:00
Atualizado: 12.11.2018, 20:40:39
Mulheres ganham a vida quebrando pedras na Chapada Diamantina (Alexandre Augusto/Divulgação)

Alexandre Augusto lança livro Mulheres de Pedra nesta terça (13), em Salvador

Jornalista e fotógrafo registrou o cotidiano de mulheres que ganham a vida quebrando blocos de pedra na Chapada Diamantina

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quem anda pelos calçamentos de paralelepípedo espalhados pela cidade não imagina que, por trás deles, estão mulheres que ganham a vida quebrando blocos de pedras. E foi em uma das suas viagens pelo interior da Bahia que o jornalista, escritor e fotógrafo Alexandre Augusto, 47 anos, cruzou com as histórias dessas trabalhadoras, que são um exemplo de força e luta.

Durante dois anos, ele fez diversos registros mostrando o cotidiano dessas mulheres. Eles foram reunidos em uma exposição, a Mulheres de Pedra, em 2017, e agora são reeditados no livro Stone Women (Editora Noir), que será lançado nesta terça-feira (13), em Salvador. A obra traz 46 imagens e traça uma trilha visual pelas cidades de Itaetê e Itatim, na Chapada Diamantina, onde a chuva não cai e as cores são dadas pelas mulheres. 

Esmaltes nos pés descobertos são retrato da vaidade das mulheres
Esmaltes nos pés descobertos são retrato da vaidade das mulheres (Alexandre Augusto/Divulgação)
Com camisas no rosto, elas trabalham no sol quente para se sustentar
Com camisas no rosto, elas trabalham no sol quente para se sustentar (Alexandre Augusto/Divulgação)
(Alexandre Augusto/Divulgação)
(Alexandre Augusto/Divulgação)
(Alexandre Augusto/Divulgação)

“Com camisas enroladas no rosto e no pescoço, esmaltes nos pés e combinações de roupas que soariam fashion em qualquer editorial de moda mais despojado, essas mulheres têm uma grande força e uma vaidade sem igual”, comenta Alexandre. 

A força, a humanidade e a simplicidade dessas trabalhadoras o arrebataram de forma inexplicável, ele conta. Elas trabalham de sol a sol para botar comida na mesa e ainda lidam com diversas atribuições, como cuidar da casa, dos filhos, etc. “Tenho uma necessidade quase visceral por contar histórias. Com as  fotos, quero mostrar o que meus olhos viram: a dignidade dessas mães, esposas e filhas. Mulheres de Pedra no sentido mais literal e no mais poe´tico. Forc¸a, beleza, aridez, delicadeza... tudo junto”, explica. 

Nas fotos, ele também evidencia a fé dessas guerreiras, “presente em todos os cantinhos da Chapada Diamantina, nas casas, nas medalhas, nas palavras”: “Não existe outra forma de se viver uma vida tão dura que não seja com fé”.  

Fé que, inclusive, as ajuda a manter a tradição local de quebrar pedras para sobreviver. Elas ganham R$ 55 a cada mil paralelepípedos talhados. “Quando cheguei lá, a primeira coisa que questionei foram as condições de trabalho.  Uma das mais velhas me deu logo um esporro: ‘Meu filho, eu dou graças a Deus pela pedra. É graças a pedra que fui criada e criei os meus filhos’”, lembra Alexandre.  

(Foto: Divulgação)

Apesar dos cliques dialogarem com questões em evidência  - como empoderamento feminino - Alexandre diz que o projeto foca nisso de forma despretensiosa: “Não foi programado, simplesmente tropecei no tema. Não pensei em gênero e nem em empoderamento. A história delas era mais forte do que todo o resto. Tinha de contar aquilo”.

Memória
O livro, portanto, veio de um desejo de eternizar essas histórias. “Tinha ainda muito material. Enquanto exposições terminam, livros são uma forma de eternizar”, diz. 

Mulheres de Pedra marca a estreia do artista como fotógrafo. Formado em jornalismo pela Ufba, Alexandre escreveu a biografia do cantor  Moreira da Silva, indicada ao Jabuti, prêmio literário mais prestigiado do país. 

Morou na A´frica, em Angola - escrevendo reportagens sobre a guerra,  acompanhando os conflitos de perto – e há três anos vive em Londres, na Inglaterra: “Nunca vi um povo tão trabalhador. Isso foi o que mais me chamou atenção. É o  exemplo de superação mais forte que encontrei na vida”.
 

  • LANÇAMENTO DO LIVRO EM SALVADOR

O quê: Lançamento do livro Stone Women (Mulheres de Pedra), de Alexandre Augusto. Evento terá sessão de autógrafos e coquetel;
Quando: Terça-feira (13), às 18h
Onde: Na Paulo Darzé Galeri (Rua Dr. Chrysippo de Aguiar, 8 - Vitória);
Quanto: evento gratuito. Livro: R$ 200.

Sobre o livro Stone Women
Editora: Noir
Páginas: 120
Idioma: Português / Inglês
Preço: R$ 200

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048