Alvos do caso Castelo de Areia podem ser investigados novamente

brasil
29.05.2018, 08:57:59
Atualizado: 29.05.2018, 09:12:12

Alvos do caso Castelo de Areia podem ser investigados novamente

Lista de citados na operação barrada pelo STJ inclui políticos e membros de tribunais de conta

Políticos, membros de tribunais de contas e integrantes de altos escalões de governo citados na Operação Castelo de Areia da Polícia Federal em 2009 podem voltar a ser alvo de investigações, mesmo após a anulação da Justiça em 2011.

De acordo com o site Folha de São Paulo, os fatos apurados nos anos 90 considerada uma prévia da Operação Lava Jato, começaram a vir à tona após o Ministério Público Federal obter a delação de um operador do esquema de corrupção descoberto no Rio de Janeiro após o escândalo na Petrobras.

Entre os políticos mencionados em pedidos de abertura de inquérito na Castelo de Areia, estavam o ex-deputado Valdemar Costa Neto, que hoje comanda as articulações de seu partido, o PR, para a eleição presidencial, e o pré-candidato a presidente Aldo Rebelo (SD). Também foram citados à época o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Augusto Nardes, membros do tribunal de contas de São Paulo e o secretário-executivo do ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Elton Santa Fé Zacarias.

Investigados na Lava Jato, como o ex-diretor da estatal paulista Dersa, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, suspeito de atuar como operador do PSDB, também podem ter a situação agravada caso o reavivamento da Castelo de Areia seja ampliado.

Castelo de Areia

Deflagrada em março de 2009, a Castelo de Areia apreendeu manuscritos, planilhas e documentos nas casas de executivos e escritórios da Camargo Corrêa. A operação teve como foco inicial crimes financeiros ligados à construtora, mas em pouco tempo surgiram indícios do envolvimento de outras empreiteiras, de políticos, de membros de tribunais de contas e de integrantes de altos escalões governamentais. 

Essa situação levou a pedidos de abertura de novos inquéritos pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. O início de 19 novas apurações chegou a ser autorizado pela Justiça, mas as investigações foram barradas após liminar concedida em janeiro de 2010 pelo então presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Cesar Asfor Rocha. 


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/tiguan-une-esportividade-e-espaco-para-sete-pessoas/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sandy-lanca-musica-em-parceria-com-iza-ouca/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/hbo-dos-eua-estreia-a-amiga-genial-adaptacao-do-romance-de-elena-ferrante/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/autor-de-latrocinio-contra-o-assessor-michel-e-preso-em-santa-catarina/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/atriz-instala-cameras-em-quarto-para-gravar-agressoes-do-marido-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/webserie-inspira-empreendedores-assista/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-ultimo-a-sair-apaga-a-luz-do-othon-hotel-ja-esta-sem-nenhum-hospede/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/piloto-alema-de-17-anos-sofre-acidente-grave-e-sera-operada/