Após ano turbulento, Vitória tenta voltar aos trilhos em 2019

e.c. vitória
01.01.2019, 05:00:00
Chamusca e David tentam levar o Vitória de volta à elite do Brasileirão (Maurícia da Matta/ EC Vitória/ Divulgação)

Após ano turbulento, Vitória tenta voltar aos trilhos em 2019

Principal meta do rubro-negro é retornar para a Série A do Brasileirão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ano novo, vida nova. Essa frase nunca encaixou tão bem no momento atual do Vitória. Depois de um 2018 de crise nos bastidores e fracassos dentro de campo, principalmente com a queda para a Série B do Brasileirão, o rubro-negro tenta retomar a caminhada em 2019. 

Para isso, o presidente Ricardo David apostou em um profissional bastante conhecido do cenário baiano, o treinador Marcelo Chamusca, de 52 anos, que foi revelado para o mundo futebol justamente na Toca do Leão. 

Há 25 anos, ele iniciou a carreira como treinador do time sub-17 rubro-negro. Ficou por quatro temporadas e foi promovido ao sub-20. No estado, trabalhou também no Bahia, entre 2000 e 2004, como treinador de base e auxiliar técnico. Foi a última experiência dele em Salvador.

Agora, após 14 anos, retorna com a missão mais complicada da carreira: reconquistar a confiança da torcida e levar o clube para a Série A. “A expectativa é de um ano de retomada, com conquista de objetivos importantes para todos nós que hoje fazemos parte do clube”, afirmou o treinador em bate-papo com o CORREIO, por telefone. 

Depois, Chamusca ainda acrescentou. “Reconquistar a confiança da torcida em busca de um 2019 de alegrias para a nação rubro-negra”. 

O currículo de Chamusca pode deixar a torcida do Vitória animada, afinal, o treinador tem experiência quando o assunto é subir de divisão. O primeiro time profissional dele foi o Vitória da Conquista, em 2012. De lá para cá, acumulou acessos em todas as divisões nacionais: subiu o Salgueiro da Série D para C em 2013; o Guarani da C para a B em 2016; e o Ceará, em 2017, da B para a elite.

Orçamento apertado
Chamusca, no entanto, não terá vida fácil. Com a queda de divisão, a expectativa é que o Vitória tenha uma queda de pouco mais de 50% no orçamento. O Conselho Deliberativo do clube, por sinal, rejeitou a primeira proposta apresentada pela atual gestão do rubro-negro. 

A proposta era de R$ 73 milhões para serem gastos, quase 30% a menos que os R$ 102 milhões de receita de 2018. No planejamento apresentado, foi previsto quase metade do orçamento, cerca de R$ 30 milhões, provenientes da venda de direitos econômicos de jogadores. Hoje, os principais candidatos a serem negociados pelo rubro-negro são os jovens da categoria base: Lucas Ribeiro, Luan, Léo Gomes e Léo Ceará.

Uma nova reunião do conselho está programada para acontecer no dia 28 de janeiro. Até lá, a diretoria contará com uma receita de R$ 5 milhões para o mês.

Até o momento, o Leão só anunciou dois reforços para a temporada. O zagueiro Thales e o meia Andrigo, ambos emprestados até dezembro pelo Internacional. Em contrapartida, o atacante Neilton, artilheiro do Vitória em 2018 (23 gols) e dono do maior salário do elenco, foi para o colorado, também por empréstimo. Outros atletas devem ser negociados para reduzir a folha, como os volantes Willian Farias e Marcelo Meli, e o atacante Walter Bou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas