Após City, Chelsea pode ser mais um clube a deixar a Superliga

esportes
20.04.2021, 17:06:00
Atualizado: 20.04.2021, 18:11:37
Torcedores do Chelsea na porta do Stamford Bridge, casa do Chelsea (Foto: AFP)

Após City, Chelsea pode ser mais um clube a deixar a Superliga

Torcedores protestam na porta do Stamford Bridge nesta terça-feira (20)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Manchester City já oficializou o desejo de retirar-se do grupo dos clubes fundadores da Superliga, e pode ganhar um companheiro em breve. Diversos veículos da imprensa inglesa, como a rede BBC e o jornal The Times, afirmaram que o Chelsea irá fazer o mesmo.

O clube londrino já estaria preparando a papelada necessária para desistir da ideia da nova competição. Nesta terça-feira (20), centenas de pessoas foram até a entrada do Stamford Bridge, casa do Chelsea, para protestar contra a participação do clube inglês no novo torneio. Estimativas dos policiais apontam que participaram da manifestação cerca de 1,5 mil torcedores.

Os fãs seguravam cartazes com muitas críticas à diretoria do Chelsea. O principal alvo foi o dono do clube, o magnata russo Roman Abramovich. Eles reclamavam da "ganância" do projeto da Superliga, que promete render 3,5 bilhões de euros na primeira temporada. Ex-goleiro e atual assessor técnico de desempenho, Petr Cech tentou acalmar a multidão.

A Superliga foi anunciada no último domingo (18) por 12 grandes clubes da Europa, mas vem sofrendo duras críticas de jogadores, torcedores, clubes não-participantes, ligas e até as principais entidades à frente do futebol, como a Uefa e a Fifa.

Estavam à frente do projeto: Chelsea, Arsenal, Tottenham, Manchester City, Manchester United e Liverpool, da Inglaterra; Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid, da Espanha; e Internazionale de Milão, Milan e Juventus, da Itália.


Pelo Twitter, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, apoiou a saída das equipes inglesas da Superliga e afirmou que espera o mesmo dos demais clubes do país.

"A decisão do Chelsea e do Manchester City é – se confirmada – absolutamente acertada e os elogio por isso. Espero que os outros clubes envolvidos na Superliga Europeia sigam o seu exemplo", escreveu Johnson.

Inicialmente, o novo torneio teria 15 times fixos - os 12 fundadores e outros três não-anunciados - e cinco convidados. Dessa forma, os clubes criadores teriam sempre lugar garantido a cada temporada, ao invés de uma classificação por mérito em função dos campeonatos nacionais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas