Após confusão, Flamengo perde em casa para o Peñarol

esportes
03.04.2019, 23:56:53
Diego tentou, mas foi o Peñarol, de Nuñez, que se deu bem no Maracanã pela Libertadores (Carl de Souza/AFP)

Após confusão, Flamengo perde em casa para o Peñarol

Pela tarde, torcedores uruguaios provocaram baderna em praia e foram presos

Em uma de suas piores apresentações nesta temporada, o Flamengo foi derrotado por 1x0 pelo Peñarol, do Uruguai, no Maracanã, perdendo seu primeiro jogo na Copa Libertadores e a liderança do Grupo D. Apático e, em muitos momentos, nervoso, o time teve atuação fraca e jogou com um a menos durante pouco mais de 15 minutos da segunda etapa, depois de Gabriel ser expulso.

O carrinho temeroso de Gabriel que culminou na sua expulsão foi reflexo do comportamento do time em campo. Muitos ansiosos, os comandados de Abel Braga não tiveram uma boa performance e insistiram em jogadas previsíveis. Everton Ribeiro foi um dos poucos que se salvou. Dentro de sua proposta, o time uruguaio foi mais eficiente e chegou ao seu gol com Viatri, no final da partida, quando já tinha superioridade numérica.

A vitória do Peñarol deixa o Grupo D embolado. Os dois times ficaram com seis pontos, mas os uruguaios assumiram a ponta porque estão com saldo de gols superior (3 contra 2). A LDU, do Equador, é a terceira, com quatro, e o San José, da Bolívia, o lanterna da chave, com três. 

Do lado de fora do Maracanã, havia alguma tensão. Depois da briga entre torcedores do Peñarol e flamenguistas no Leme que deixou um rapaz gravemente ferido, os apoiadores do time uruguaio só conseguiram entrar no Maracanã já no intervalo na partida. Os identificados na briga, cerca de 60 deles, foram detidos no Juizado Especial Criminal (Jecrim) e não viram a partida. A confusão da tarde começou quando os uruguaios avistaram um ônibus com torcedores do Flamengo vindo de outros lugares do país e começaram a agredi-los e roubá-los. A polícia chegou e a baderna acabou controlada.

O jogo
Desde o começo da partida, o Flamengo sentiu que o jogo seria diferente e que não teria facilidade frente aos uruguaios. O time chegou a povoar o ataque em boa parte da primeira etapa, teve maior posse de bola (63%), mas só chutou a gol uma vez e sem perigo no primeiro tempo. A parceria de Willian Arão pela direita com Éverton Ribeiro foi uma das poucas opções produtivas do time nos 45 minutos iniciais.

Quem teve uma oportunidade clara de abrir o placar foi o Peñarol Depois de contra-ataque puxado por Brian, Canobbio recebeu na pequena área e, sozinho, finalizou para a defesa à queima-roupa de Diego Alves. Muito organizados, os uruguaios seguiram à risca a estratégia armada.

Se estava ruim no primeiro tempo, na etapa final, os flamenguistas gostaram menos ainda do que viram. A equipe de Abel Braga repetiu erros do primeiro tempo e foi manca. Insistiu muito nas jogadas do lado direito, de onde saiu o gol de Gabriel, que, porém, foi invalidado pois o atacante estava impedido.

Carente de criatividade, o Flamengo começou a perder a partida aos 30 minutos, quando um carrinho inconsequente e desnecessário de Gabriel causou a expulsão do atacante, que saiu de campo indignado com a decisão do árbitro. Com um a menos, o time carioca foi ainda mais improdutiva e passou a ser ameaçada pelo Peñarol, que viu que poderia vencer o jogo.

O mapa da mina para o time visitante foi justamente o lado direito da defesa do Flamengo. De lá, Lucas Hernández cruzou e Viatri, livre, se antecipou a Renê para cabecear com precisão, no ângulo direito de Diego Alves. No final, ouviram-se vaiam e os uruguaios festejaram.

Pela Libertadores, o Flamengo volta a campo no dia 11, quinta-feira, para duelar com o San José, da Bolívia, no Maracanã. Antes, no sábado (6), às 19 horas, o time encara o Fluminense no clássico que vale vaga na final do Campeonato Carioca.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas