Após duas vitórias, Rodrigo Chagas desconversa sobre efetivação

esportes
02.12.2020, 15:50:00
Atualizado: 02.12.2020, 18:20:54
Rodrigo Chagas comanda o Vitória como interino desde a saída de Barroca (Foto: Pietro Carpi/EC Vitória)

Após duas vitórias, Rodrigo Chagas desconversa sobre efetivação

'Vou continuar como interino até o presidente achar que devo ser efetivado', disse técnico após goleada sobre o Paraná

Rodrigo Chagas assumiu há pouco tempo como técnico interino do Vitória, mas já conseguiu quebrar dois jejuns que incomodavam ao torcedor rubro-negro. Ao golear o Paraná por 4x1 na Vila Capanema, o Leão conseguiu pela primeira vez na Série B triunfar fora de casa e ganhar duas partidas seguidas.

Técnico anterior, Eduardo Barroca nem chegou a vencer dois jogos. Comandou o time ao longo de nove duelos, até ser contratado pelo Botafogo. Nesse tempo, conseguiu bater apenas o Figueirense. Os outros terminaram com cinco empates e três derrotas. 

Os bons e rápidos números fizeram com que a efetivação de Chagas passasse a ser vista com bons olhos pela torcida. Ele, aliás, já afirmou que deseja que isso aconteça. Mas não faz pressa.

"Estou como interino. Vou continuar como interino até o presidente achar que devo ser efetivado. Mas o mais importante disso tudo é saber que estou sendo muito bem utilizado pelo clube, clube que amo, tenho toda a identidade", comentou, após o 4x1 sobre o Paraná.

"Nesse momento busco que a gente faça um trabalho bom para o Vitória atingir o objetivo final. Do jeito que estamos indo, que o trabalho está acontecendo, que os atletas estão se dedicando, daqui a pouco começamos a falar de efetivação. O que quero falar é do grande resultado que tivemos, do grande jogo. Sobre o tabu, falei que seria natural, que estava confiante no trabalho. Agora é trabalhar para o próximo jogo, concentrar e estudar o adversário, para que possamos ser felizes no jogo dentro de casa", continuou.

Chagas também fez questão de ressaltar a recepção dos jogadores. "Agradecer aos atletas, que são a peça chave, souberam entender minha filosofia, o que tem sido pedido em campo", comentou.

"Não mudei tudo completamente, até porque estaria sendo burro se mudasse radicalmente. A gente fez alguns ajustes táticos, deu mais liberdade e um equilíbrio defensivo melhor, o que fez com que a gente tivesse uma identidade na questão da dinâmica de jogo, na intensidade. Eles entenderam o que tem sido pedido. A gente tem um time de transição ofensiva mais rápido, estamos chegando ao gol adversário com mais velocidade. Estamos vendo também o crescimento de alguns atletas que estão sendo muito bons no meio-campo, caso de Lucas Cândido e Matheus Frizzo, que dão uma qualidade muito grande. Eles estão entendendo bem o que está sendo pedido. Espero que a gente continue com essa dinâmica de jogo que estamos tendo, que na minha opinião é a grande diferença".

Com 32 pontos, o Vitória é o 14º colocado da Série B. São oito pontos a mais que o Náutico, time que abre o Z4, e oito pontos a menos que o Juventude, que fecha o G4. Na próxima rodada, o Leão recebe o Confiança no Barradão. A partida está marcada para sexta-feira (4), às 19h15. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas