Argel celebra início de temporada e minimiza vaias

e.c. vitória
23.02.2017, 06:00:00

Argel celebra início de temporada e minimiza vaias

Após triunfo contra o Bragantino, treinador rubro-negro valorizou o retrospecto de 2017, com oito vitórias e uma derrota em nove jogos

Classificação garantida para a 3ª fase da Copa do Brasil, líder do seu grupo na Copa do Nordeste e 100% de aproveitamento no Campeonato Baiano. Para o treinador Argel Fucks, os resultados do Vitória em 2017 são para se comemorar - e muito -, ainda que desempenho dentro de campo não seja o ideal. Pelo menos foi o que declarou o técnico após a vitória do Leão sobre o Bragantino por 3x2, na noite de quarta (22), pela Copa do Brasil.

Argel acredita que triunfo contra o Bragantino poderia sido mais tranquilo (Foto: Maurícia da Matta/ECVitória/Divulgação)


"A equipe estava buscando muito mais resultado do que exibição. Hoje (quarta, 22), tivemos mais posse de bola, finalizamos mais. Não me lembro de ter um início tão bom do Vitória. Em termos de exibição, temos que melhorar. Não tenho dúvida que no momento certo, na hora de fechar o funil, lá na frente, aí a gente precisa estar com uma equipe encaixada, aliando o resultado com boas exibições", analisou Fucks.

Para o treinador, o Leão complicou um jogo tranquilo pelo excesso de gols perdidos, principalmente, no final da partida. No entanto, ele colocou uma responsabilidade extra na arbitragem, que, na visão dele, marcou um pênalti equivocado para a equipe paulista quando o Vitória vencia por 2x0.

"O jogo poderia ser mais tranquilo. Tivemos um pênalti que não foi. O Bragantino reclama, mas o jogador deles torce o joelho sozinho. Para mim, o pênalti é muito duvidoso, se estivesse 1x0 ele não dava. Tivemos um gol legítimo anulado, três ou quatro chances claríssimas para matar o jogo quando estava 3x1, para fazer o 4x1, matar de vez o adversário. Perdemos gol sem goleiro. Acontece", afirmou.

Ainda que a equipe tenha sido vaiada por parte dos torcedores ao final do jogo, Fucks preferiu minimizar os protestos, sobretudo os que aconteceram após a saída do atacante Pineda, que vinha atuando bem. "Torcedor tem todo direito de vaiar e aplaudir. A hora que eu entender que tem que tirar o Pineda ou qualquer outro jogador, eu vou tirar. Se eu tirei naquele momento, é porque o Pineda estava cansado. Faz parte do futebol. Eu tenho minha convicção", declarou, no estilo um tanto 'bruto'.



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas