As lembranças de Madiba

entre
21.07.2019, 06:00:00

As lembranças de Madiba

Em sua primeira visita a Salvador, Nelson Mandela levou multidão ao aeroporto, experimentou comida baiana e fez discurso vigoroso na praça Castro Alves

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nelson Mandela desembarca no aeroporto de Salvador - Foto de Claudionor Júnior em 7 de junho de 1991

Para a primeira visita de Nelson Mandela ao Brasil, depois de 27 anos de prisão, a população de Salvador se preparou para receber o homem que enfrentou e derrotou o regime do apartheid. O aeroporto de Salvador ficou pequeno para a multidão que aguardava pacientemente o voo que traria Mandela para agradecer pessoalmente o apoio do Brasil na luta contra o racismo na África do Sul. Quando o avião pousou depois, de duas horas de atraso, Mandela acenou para a multidão e sorriu agradecido pelas manifestações na pista do aeroporto, antes de entrar num carro oficial para a recepção no palácio de Ondina


No almoço oferecido pelo governador Antônio Carlos Magalhães, Madiba comeu acarajé e depois se fartou nas delícias da culinária baiana. O visitante ficou tão satisfeito que foi até a cozinha do palácio para abraçar quem tinha cozinhado para ele. Chegou sorrindo e suando, se aproximou do fogão e uma fila de cozinheiras e garçons fez festa e cantoria. Ele ensaiou uns passos de dança antes de ser envolvido por todos. Jornalistas perguntaram sobre a refeição e ele respondeu que os quitutes baianos eram “terrific” (sensacionais) e disse que era “uma das razões para que um dia eu volte ao Brasil”.


Ao entardecer, na praça Castro Alves, o povo de Salvador ouviu o discurso vigoroso de Nelson Mandela sobre liberdade e igualdade, racismo e sobre a luta para construir uma sociedade democrática na África do Sul. No seu discurso lembrou que “pela nossa experiência amarga, sabemos que o racismo não morre voluntariamente”. Na despedida dessa rápida passagem pela Bahia, debaixo de aplausos, Mandela encerrou seu discurso lamentando ter de ir embora.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas