Assalto a ônibus é 'início da atividade criminal', diz secretário Maurício Barbosa

salvador
23.05.2017, 20:30:00
Atualizado: 23.05.2017, 20:43:45

Assalto a ônibus é 'início da atividade criminal', diz secretário Maurício Barbosa

Tema foi discutido na manhã desta terça-feira durante encontro de líderes de setores de Inteligência do Nordeste

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Comitê Integrado de Segurança para o Transporte Coletivo, que tem participação da Secretaria Municipal da Mobilidade (Semob), do Consórcio Integra e do Sindicato dos Rodoviários, foi uma das ações apresentadas nesta terça-feira (23) pelo secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, durante um encontro com líderes de Inteligência do Nordeste. 

O comitê tem feito avaliações semanais do problema de assaltos a ônibus em Salvador. “Mas o que os policiais mais têm falado é sobre o alto índice de reincidência e dos adolescentes praticando essa modalidade, o que torna cada vez mais difícil manter essas pessoas presas. Muitos criminosos em início de atividade criminal optam pelo roubo em transporte coletivo até pela facilidade em sair. É o tipo de crime que usam para pagar dívidas com traficantes”.

No entanto, segundo o secretário, as coisas não têm avançado como pretendiam. Primeiro porque os criminosos que assalto ônibus são soltos muito facilmente – ele cita presos que tenham até 13 entradas por esse crime. Além disso, ele diz que é preciso que as empresas disponibilizem as imagens do circuito de segurança de forma mais rápida.

Publicidade
"Chegava a casos de empresa que mandava depois de uma semana do fato. Tem também a questão da propaganda no fundo do ônibus, que atrapalha a visibilidade e a polícia vem reiteradas vezes afirmando isso. A gente precisa da ajuda de todos e da própria prefeitura. Estamos avançando nisso e conversando com o poder Judiciário e com o MP (Ministério Público do Estado) para a necessidade de manutenção da prisão (dos assaltantes de ônibus)", disse Barbosa.

Procurado, o diretor do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps), Jorge Castro, questionou a declaração do secretário Maurício Barbosa sobre as imagens das câmeras de segurança. Sobre a publicidade do fundo dos coletivos, Castro disse que a visão do secretário não é real.

"Dizer que um anúncio dificulta ou atrapalha o policiamento não é real, porque em lugares onde não tem o anúncio, a violência é a mesma. Aqui em Salvador nós já tivemos um período em que foi retirada a publicidade e isso não mudou os números em nada", disse.

O secretário municipal de Mobilidade de Salvador, Fábio Mota, disse que os ônibus metropolitanos é que circulam em Salvador utilizando publicidade no fundo. "São 1.100 ônibus da Região Metropolitana, que circulam dentro da cidade, e que têm essa publicidade. Quando foi feita a concessão, já estava previsto que as empresas poderiam utilizar, não se pode retirar isso agora", disse Mota.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas