Ayrton Senna: 27 anos após morte trágica, leia reportagem inédita sobre o piloto

brasil
01.05.2021, 11:00:00
Em fevereiro de 1994, Ayrton Senna participou de uma pauta especial para a revista Quatro Rodas no Autódromo de Interlagos (Foto: Cláudio Laranjeira)

Ayrton Senna: 27 anos após morte trágica, leia reportagem inédita sobre o piloto

Por conta do acidente fatal com o piloto, o material ficou guardado por anos pela revista Quatro Rodas

Era final de fevereiro quando nosso tricampeão mundial de Fórmula 1, Ayrton Senna da Silva, havia pautado uma reportagem exclusiva com a revista Quatro Rodas em que anunciaria oficialmente que a Senna Import seria o representante oficial da Audi AG no Brasil. O então editor da Quatro Rodas, Eduardo Pincigher, foi designado para a nobre missão de receber nosso ídolo em Interlagos, onde ele apresentaria dois dos quatro modelos que a Senna Import comercializaria no país: o S4, versão esportiva do Audi 100, e o S2, a versão esportiva do Audi 80 – que mais tarde teria o A4 como sucessor.

O editor executou seu trabalho com maestria, fotografado pelo proeminente e amigo pessoal de Ayrton, Cláudio Laranjeira. A reportagem seria publicada na edição de maio de 1994 da Quatro Rodas, logo nos primeiros dias do mês, e teria na capa a foto do nosso tricampeão junto da máquina que ele sonhou em trazer para o nosso mercado.

Os bastidores da reportagem com Senna em Interlagos. Eduardo Pincigher, que escreveu a matéria, é o primeiro da direita (Foto: reprodução)

Infelizmente, para nós brasileiros e para todo o mundo, naquele fatídico dia 01 de maio de 1994, um acidente fatal em Ímola, no GP da Itália, não permitiu que Senna voltasse vivo ao Brasil. Esse triste episódio fez com que a direção da revista Quatro Rodas, às pressas, imprimisse outra capa para a edição de maio/1994, e retirasse a reportagem prevista para sete páginas da revista daquele mês, em respeito à comoção que tomou conta de todo o País.

Um simples teste de uma versão com apresentação da marca foi feita de maneira modesta e sem alardes na edição de junho de 1994. Por isso, a reportagem exclusiva que segue abaixo, nunca foi publicada, e, só agora, quase 27 anos depois, você terá o privilégio de ler tudo que Ayrton Senna contou sobre a Audi e seus produtos ao editor Eduardo Pincigher na época de lançamento da marca. Um relato importante que ficará na história da imprensa automotiva brasileira.

Douglas Mendonça, diretor de redação da Quatro Rodas em 1994

O Audi S2 é equipado com um motor de 2.2 litros que entrega até 255 cv de potência (Foto: Cláudio Laranjeira)

O Carro do Homem

Ayrton Senna anuncia que será importador da Audi no Brasil e testa com exclusividade para Quatro Rodas o esportivo S2 em Interlagos

Texto: Eduardo Pincigher

Bem ao gosto do personagem: garoava forte naquela manhã de terça-feira, finalzinho de fevereiro, no Autódromo de Interlagos. Prestes a anunciar que seria o representante brasileiro da marca alemã Audi, em evento realizado no final de março, o “empresário” Ayrton Senna da Silva chegou de helicóptero à pista. Com absoluta exclusividade para Quatro Rodas, o piloto daria suas impressões ao dirigir o Audi S2, sedã esportivo trazido pela recém-criada Senna Import, após investimento de 5 milhões de dólares.

Mas e de onde vem essa tal de Audi? Vamos lá. A Audi é herdeira da Auto Union, um conglomerado de quatro montadoras alemãs do período pré-guerra, daí o símbolo das “quatro argolas”. Uma delas, inclusive, bem conhecida dos brasileiros: DKW (as demais são Horch, Wanderer e a própria Audi). Um dos engenheiros mais famosos da Auto Union, inclusive, foi Ferdinand Porsche.

“A Audi se tornará rapidamente conhecida e respeitada no Brasil, como já é no resto do mundo”, disse Senna. “São carros extremamente modernos e seguros”. Hoje, a marca é subsidiária do grupo Volkswagen e rivaliza, no mercado europeu, com BMW e Mercedes-Benz. Teve grandes resultados nas provas de rally da década passada, com o mítico Audi quattro. E é justamente a partir da principal tecnologia desse modelo, criada nas competições, que surge uma interessante particularidade dos carros de rua frente às rivais: as versões top de linha da Audi costumam adotar tração permanente nas quatro rodas, frente à tradicional tração traseira das rivais. E foi exatamente por isso que Ayrton chegou a Interlagos bastante sorridente: “essa garoa vai revelar, de cara, um dos principais atributos desse carro: a aderência em pisos escorregadios”, prometia. E cumpriu. Mas isso a gente conta mais adiante.

A Audi era uma marca desconhecida no mercado brasileiro (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

“Cheguei” – O slogan da Audi dá o tom de sua aparente ousadia: “BMW e Mercedes, cheguei!” Se parece atrevido desembarcar por aqui como uma ilustre desconhecida já com essa empáfia toda, vejamos. Na Europa, a marca tem tido êxito nessa empreitada, conquistando cada vez mais adeptos no segmento de luxo. Além da qualidade inquestionável de produção – marca registrada da Volkswagen AG –, a tração integral será um trunfo tecnológico importante para conquistar consumidores afeitos à performance e à segurança. Ainda que os modelos alemães tragam suspensões construtivamente elogiáveis, a Audi sempre levará vantagem em curvas com suas quatro rodas motrizes. Sempre. E mais: a marca irá se pendurar na figura vencedora de um dos maiores esportistas brasileiros de todos os tempos. Nada mau para o início. “Fiz constar no contrato com a Williams neste ano a vinculação de minha imagem com a Audi no Brasil”, explicou o piloto.

“A tração permanente é a maior vantagem sobre os concorrentes. Com ela, ganha-se muito em estabilidade. Como as quatro rodas tracionam, não há perigo de um dos eixos derrapar em uma curva veloz. Na chuva, então, esse sistema é fantástico. Garante muita segurança aos passageiros”, destacou nosso piloto “convidado”.

Tecnologia das pistas
Antes de levarmos o carro a Interlagos para esse encontro exclusivo com Ayrton, pusemos o Audi S2 à prova nas pistas de Limeira e Indaiatuba.

Possui altos recursos tecnológicos, a começar pela tração permanente e passando pelo motor de cinco cilindros turboalimentado, com quatro válvulas por cilindros, duplo comando e 2,2 litros de capacidade cúbica. Rende 230 cv de potência a 5.900 rpm, mas pode chegar a 255 cv quando exigido a fundo, graças à ação do overboost. O câmbio é manual de seis velocidades.

“É um recurso que utilizávamos nos Fórmula 1 da era turbo. Na hora de ultrapassar outro carro, bastava apertar um botão no volante que a turbina exercia pressão extra sobre o motor. O S2 tem o mesmo sistema, só que é automático. O motor recebe 25 cv a mais durante 15 segundos. Ao ultrapassar um caminhão numa estrada de mão dupla, o overboost garante a realização da manobra com maior rapidez e segurança”, explicou Ayrton.

Nas medições de pista, o desempenho do Audi S2 foi exemplar. Nem parecia tratar-se de um sedã de 4,51 metros de comprimento e 1.497 kg de massa. Obtida em sexta marcha, a velocidade máxima alcançou a marca de 239,5 km/h – mais lento que o BMW M5 (252 km/h) e mais veloz que o Mercedes C280 (221 km/h). O estreante da Audi garantiu o décimo lugar no ranking de importados.

Nas arrancadas, entretanto, a ação da tração permanente impressiona. Não há pneus derrapando na largada, ainda que o piloto despeje o torque de 35,7 kgfm de uma só vez. Ele salta à frente como uma aranha e engole a pista de forma impressionante: 0 a 100 km/h em 6s78.

A polêmica do 0 a 100 km/h
“O número oficial é 6s2. Por que será que ele foi tão mais lento?”, questionou Ayrton ao repórter. “Você nos forneceu um carro praticamente zero km para o teste, sem um motor amaciado. Além disso, Ayrton, as montadoras divulgam números de 0 a 100 km/h onde o piloto de testes não tira o pé do acelerador nas trocas de marchas. Quatro Rodas não concorda com esse procedimento. E é claro que perde alguns décimos”, defendeu-se, modéstia à parte, bem, o repórter.

Vale mencionar que esse vigor não se traduz, porém, em um alto consumo, conforme seria de se esperar em um conjunto motriz repleto de diferenciais, semi-eixos, cardãs etc. Fez 8,51 km/l na cidade e 12,29 km/l nos trajetos rodoviários nos testes padronizados por Quatro Rodas. Um de seus concorrentes já mencionados, o BMW M5, não passou de 6,36 km/l e 11,65 km/l, respectivamente.

Mas é, de fato, na segurança que o sedã alemão do Ayrton dá um show. E nem estamos falando ainda da experiência em andar com o “dono do carro” em Interlagos... Junto com a suspensão independente e as rodas aro 16 e tala de 7,5 polegadas, a tração quattro promoveu um excelente resultado em nossa prova de aceleração lateral: 0,96g – para efeito de comparação, o Mercedes C280 não passou de 0,91g, sendo que, neste caso, com grande tendência ao sobresterço (saída da traseira). O S2? Neutro, totalmente “na mão”.

Segurança é ponto alto
O sistema de freios, com discos ventilados nas quatro rodas e sistema antitravamento ABS, permitiu que o sedã precisasse de apenas 26,4 metros para ir de 80 km/h até a parada total. “Na Alemanha, guiei uma Avant S2 (versão station do carro testado) numa autobahn a mais de 240 km/h. Fiz, então, a seguinte experiência: tirei as mãos do volante e subi no pedal de freio. A perua parou em linha reta e não apresentou fading. Fiquei impressionado com o sistema de freios e com a eficiência do ABS”, destacou Ayrton.

E isso não é tudo. Ele oferece dispositivos de segurança passiva, como air bag para motorista e passageiro, barras laterais de proteção nas portas e o exclusivo sistema Procon-Tem (Programmed Contraction and Tension, ou Tensão e Contração Programadas). Em caso de colisão frontal acima de 25 km/h, os cintos de segurança são automaticamente tensionados, os dois air bags se inflam, o conjunto motor/câmbio se desloca para baixo e a coluna de direção é puxada para frente.

No interior, muito conforto
O couro está presente no revestimento das laterais das portas, na forração dos bancos, no painel de instrumentos e no volante – tudo de série. As poltronas dianteiras têm regulagem elétrica de distância e altura do assento e reclinação do encosto. Há um bom espaço interno, e o nível de ruído médio, de 61,5 decibéis, faz do Audi S2 um sedã silencioso, bem abaixo da média entre 65 e 70 decibéis, aceitável para um carro de luxo.

Para a época o sedã tinha bastante luxo. A foto foi registrada em fevereiro deste ano (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

O ar-condicionado possui programação de temperatura, com correção automática. O painel traz, como novidades, teclas de acionamento de luz direcionadora traseira (utilizada para que o carro de trás se guie na neblina) e controle elétrico de regulagem de altura dos faróis. A coluna de direção, onde se localizam os comandos do piloto automático, permite regulagens de altura e profundidade.

Correndo atrás de Status
O design segue a tradição de discrição e elegância dos Audi. Na traseira, linhas determinam um perfil conservador. Perguntamos a respeito dessa característica à Ayrton Senna: “O consumidor que busca esse tipo de automóvel prefere um estilo mais clássico. Se bem que, para mim, ele é muito bonito!”. A gente entende sua opinião, Ayrton, fique tranquilo.

A despeito desse senão, dá para afirmar que isso não pesa em nada no conjunto. Com uma respeitável combinação virtuosa de desempenho, segurança, equipamentos e conforto, o Audi S2 ainda não tem o status de BMW e Mercedes, mas, mesmo assim, tende a incomodar bastante os rivais no futuro. Serão 8 concessionárias credenciadas pela Senna Import neste início (Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Guarujá, Recife, Rio de Janeiro e duas lojas em São Paulo).

Além do S2 (vendido por 82.000 dólares), a linha será composta pelo Audi 80 2.6E sedã (55.000 dólares), o 100 2.8 (62.000) o esportivo S4 (92.000).

Na pista com Ayrton Senna
Dissemos lá no início da reportagem que Ayrton havia descido do helicóptero bastante sorridente devido à garoa que castigava a pista. Esse cenário tornava a ocasião propícia para avaliar o carro. Ainda mais com o Rei da Chuva ao volante. Entramos na pista e ele começa a descrição de cada particularidade mecânica do S2. Mas era Ayrton Senna, né?

Na reta dos boxes, as marchas eram trocadas a 6.000 rpm, exceto na passagem da quinta para a sexta, quando o conta-giros apontava 5.200 rpm. “Jamais havia guiado antes um carro de passeio tão veloz, aqui em Interlagos”, impressionou-se Ayrton, ao olhar para o velocímetro, que marcava 195 km/h.

Aquilo era só o começo. No instante da freada para o S do Senna, o Audi chegou a 205 km/h. Ayrton, então, parou de falar. Iniciou a frenagem, reduzindo marchas com invejável rapidez, sempre intercaladas com punta-tacos. A tomada apontava para dentro da curva, como se ele estivesse a bordo de um Fórmula 1. Feita a manobra, o carro escapou levemente para fora.

Mas seu piloto se chamava Ayrton Senna da Silva. Com um contragolpe no volante, ele fez com que o Audi retomasse a trajetória original sem maiores dificuldades. E, quando beliscou a zebra, a Curva do Sol já reaparecia, bem à frente. Chegando à Curva do Lago, pé no freio, reduções de marcas, acelerador a fundo novamente. Uma manobra perfeita.

“Cabem cinco pessoas com folga no interior do S2. Ele é um automóvel muito confortável, e você pode sentir isso andando em qualquer velocidade”, resumia o entusiasmado Ayrton, ao tirar o capacete. “Além disso, carros turbinados, como este, são mais divertidos de acelerar. isso tudo sem deixar de lado a segurança, nossa principal preocupação ao trazê-lo para o Brasil”.

*O texto e as fotos foram cedidas ao CORREIO pela Audi do Brasil

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas