Baco Exu do Blues e OQuadro se apresentam em dia de jogo do Brasil

entretenimento
06.07.2018, 06:12:00

Baco Exu do Blues e OQuadro se apresentam em dia de jogo do Brasil

Shows integram a programação do projeto Bud Basement, que exibe jogos da Copa do Mundo no Trapiche Barnabé

Após uma temporada de shows fora da sua terra natal, o rapper soteropolitano Diogo Moncorvo, 22 anos – o Baco Exu do Blues, destaque no cenário nacional – se apresenta nesta sexta-feira (6) em Salvador. O show integra a programação do projeto Bud Basement - espaço da cerveja Budweiser que agita a capital baiana nos jogos da Copa do Mundo,  no Trapiche Barnabé (Comércio).

Quem for ao evento realizado desta vez com o coletivo OXE071, poderá prestigiar o Festival Fogo, com hambúrgueres e opções vegetarianas. Também vai poderá curtir a banda OQuadro e o DJ Telefunksoul. Os artistas sobem ao palco após o apito final da partida entre Brasil e Bélgica. “Vou apresentar o álbum Esú, que lancei em setembro do ano passado, e mais alguns singles recentes, que ainda não cantei em Salvador”, antecipa o rapper, que canta por volta de 21h30. 

(Foto: Divulgação)

Apesar de ser tricolor e acompanhar de perto seu time do coração, Baco conta que não está muito ligado na Copa do Mundo; está feliz mesmo por poder reencontrar amigos e fãs de longa data. Na apresentação, não vai deixar de lado o tom iconoclasta e polêmico da sua obra. Deve tocar ainda algo do que está preparando para seu novo álbum. “A música baiana é diferente dos outros lugares. Nossos artistas têm uma forma bem específica de falar da cidade. Estou para lançar um novo trabalho que vai ser como uma transição entre Esú 1 e Esú 2. Não sei explicar muito bem do que fala, mas posso adiantar que terá participações de artistas que não são do rap”, conta. 

Morando em Salvador e com a agenda lotada, o artista passa muito tempo viajando e não descarta a possibilidade de se mudar de estado. “A vida é longa. No momento, não tenho moradia. Toco pelo Brasil inteiro. Mas o meu maior público está em São Paulo”, revela. Mesmo assim, continua criticando a falta de visibilidade dos artistas nordestinos e as ‘panelinhas’ do eixo Sul-Sudeste. “Ainda questiono muito o fato da indústria musical dar destaque a poucos artistas nordestinos. Claro que não dá para tudo mudar em dois anos – ainda tem muito preconceito com nordestino e a luta continua. Mas vejo que o cenário tem mudando aos poucos”, afirma. 


(Foto: Daryan Dornelles)
 

Para ele, tanto o público quanto as gravadoras estão começando e ver a Bahia para além do axé. “Estamos num momento de virada, em que surgiram movimentos e outros ganharam mais visibilidade. BaianaSystem, Afrocidade, Àttooxxá e OQuadro  estão conseguindo mudar o olhar da indústria para a música baiana”, opina.

Ganhando cada vez mais destaque na cena nacional, a banda de Ilhéus OQuadro leva seu segundo álbum, Nêgo Roque, para o Comércio por volta das 19h.

“Tocamos esse trabalho poucas vezes em Salvador e é sempre muito bom reencontrar nossa família daqui. Vamos reunir boa parte do nosso repertório e Raoni Knalha, vocalista do Àttooxxá, vai estar com a gente”, conta Jef Rodrigues, um dos vocalistas do grupo. Mas a banda baiana pode surpreender. “Não se espantem se a gente resolver soltar um pagodão ou mandar um heavy metal”, avisa. 

Banda de Ilhéus, O Quadro se apresenta por volta das 19h
(Foto: Divulgação)

No jogo do mata-mata, quem for ao Trapiche não vai se arrepender, garante o músico: “Futebol pega pessoas de todas as classes sociais. Estaremos preparados para comemorar uma vitória com o público ou celebrar a ‘vida que segue’ em caso de derrota”.

Nas próximas semanas, Emicida e outros artistas participam do projeto, que acontece até o final da Copa do Mundo. Inspirado nos porões de Nova York (EUA) e Berlim (Alemanha), o Bud Basement tem quatro lounges, três bares, loja, banca de revista, house mix, espaço de jogos e de grafite, banheiros, dois galpões com barbearia e estúdio de tattoo, palco, arquibancada e telões. 

(Divulgação)

Além de Salvador, mais dez capitais do Brasil estão recebendo a badalada Bud Basement, que tem o objetivo de reunir pessoas que se conectam pela atitude, por meio de uma atmosfera urbana, genuína e contemporânea. Na capital baiana, a atração é realizada pela agência Califórnia e pela 2GB Entretenimento.

“As pessoas têm um mundo de atrações a disposição. Temos galpões com barbearia, estúdio de tatuagem, telões que irão transmitir os jogos e permitem visão 360° em todo o espaço, campeonatos de pebolim e futebol de botão, quadra de street soccer e um espaço destinado aos fanáticos por figurinhas da Copa do Mundo. Isso tudo paralelo às atrações musicais nos onze dias de evento”, explica Bruno Duarte, CEO da agência Califórnia. 

  • Confira programação dos próximos dias de evento:

Sábado (7): Depois das quartas de final da Copa do Mundo, a banda Sollares sobe ao palco, a partir das 16h;
10 de julho: As atrações da semi final, que acontece terça, são a banda Swag e o grupo Fit Dance Swag. As apresentações  começam a partir de 14h;
14 de julho:  As atrações no segundo dia de semi final, no sábado, são a banda Swag e o DJ Telefunksoul, a partir de 14h;
15 de julho: No dia da final da Copa do Mundo, um domingo, o projeto será encerrado com apresentações de Emicida e DJ Raiz. Eles sobem no palco a partir das 15h.

Serviço
O quê: Evento Bud Basement + OXE071
Atrações: OQuadro + Baco Exu do Blues + participações especiais
Onde: Trapiche Barnabé (Comércio)
Quando: Sexta-feira (6), a partir de 14h
Classificação: 18 anos
Ingressos: Na bilheteria do evento ou através do Sympla

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas