Bahia é sinônimo de experiência no futebol olímpico graças a Daniel Alves e Formiga

esportes
21.07.2021, 19:54:00
Atualizado: 21.07.2021, 19:54:13
Daniel Alves durante treino da seleção olímpica (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Bahia é sinônimo de experiência no futebol olímpico graças a Daniel Alves e Formiga

Após a soteropolitana estrear nos Jogos com goleada, é a vez do juazeirense iniciar a caminhada pelo ouro em Tóquio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Bahia é sinônimo de experiência para o futebol brasileiro em Tóquio. Na quarta (21), de manhã cedinho, Formiga, soteropolitana de 43 anos esteve em campo ajudando a seleção feminina a obliterar o escrete chinês por 5x0. Hoje, também de manhã, mas não tão cedinho, às 8h30, é a vez do juazeirense Daniel Alves, 38, entrar em campo com a seleção masculina contra a Alemanha em partida que marca a estreia do lateral baiano em Jogos Olímpicos.  

Num elenco formado por jogadores com idades até 24 anos, não é difícil de imaginar que Daniel seja o mais velho entre os 22 convocados. Para ele não é problema e inclusive consegue enxergar arte nisso tudo. Durante entrevista concedida na quarta (21), Daniel se comparou ao protagonista do filme "O Curioso Caso de Benjamin Button", que nasce idoso e rejuvenesce à medida que o tempo passa. 

"Sou como o Benjamin Button. Vou de mais a menos. (...) Independente da história que se tenha, a primeira vez sempre é especial. Estamos em igualdade de experiência na grande maioria, porque nunca participamos de um evento tao grande, gigantesco como esse", afirmou o camisa 2 e capitão do Brasil. 

O currículo de Daniel com a amarelinha é invejável. Quarto que mais entrou em campo pela Canarinho com 118 partidas, disputou as copas de 2010 e 2014 e tem três títulos: bi da extinta Copa das Confederações em 2009 e 2013 e campeão da Copa América em 2019. Os titulos com a seleção verde e amarela fazem parte da coleção recorde no futebol: ninguém na história levantou mais taças que Daniel, com 41. 

Mesmo com tanta bagagem, Daniel se reserva ao direito de também ser menino e pensa mais nas experiências que não teve. Contra a Alemanha, adversária da final há 5 anos no Rio, Daniel fará apenas o seu 8º jogo por seleções de base, como é a Olímpica. Em 2003, quando defendia o Sevilla, jogou o mundial sub-20 e acabou sendo derrotado na final para a Espanha.  

"Bati na trave duas vezes e, na terceira, aconteceu. Grato pela confiança e pelo trabalho feito em toda a carreira. Tenho o espírito muito jovem. (...) Por mais que tenha vivido coisas grandiosas e especiais, a primeira vez sempre tem o friozinho na barriga, o nervosismo bom, saudável. Espero estar a altura não só da competição, mas também da minha Seleção", disse Daniel.   

Técnico da Seleção, André Jardine antecipou o time titular para enfrentar os alemães. O Brasil está confirmado com Santos, Daniel Alves, Diego Carlos, Nino e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Richarlison, Matheus Cunha e Antony. 

Ou seja: os três jogadores com idade acima de 24 anos (Santos, Daniel e Diego Carlos) estão confirmados. Uma aposta na experiência? Talvez sim. Dos 11 que começam, 8 já tiveram passagem na seleção principal. As exceções são Nino, Claudinho e Antony.

"A gente teve que aproveitar os poucos treinamentos com o grupo completo, a estratégia foi entrosar ao máximo a equipe que a gente acha ideal. É muito comum nesses torneios que as equipes que comecem não terminem o torneio. Acredito que nossa equipe vai se modificar durante a competição, encontrar outras variantes", disse Jardine. 

A estreia da seleção acontece no estádio Internacional de Yokohama - o mesmo onde o Brasil foi penta em 2002. Contra a Alemanha. A partida terá o árbitro Ivan Barton, de El Salvador, com assistente David Moran (El Salvador) e segundo assistente Zachari Zeegelaar (Suriname). O quarto árbitro é Georgi Kabakov (Bulgária). O VAR será com o italiano Marco Guida e com assistente de VAR o mexicano Erick Miranda. 

Além da Alemanha, o Brasil tem como adversários no Grupo D a Costa do Marfim, que enfrenta no domingo, e Arábia Saudita, adversária da próxima quarta-feira que fecha a participação brasileira na fase de grupos. Os dois melhores da chave avançam para as quartas de final.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas