Baiana Beatriz Ferreira conquista o ouro no boxe no Pan de Lima

esportes
03.08.2019, 10:00:00
Beatriz se qualifica para os Jogos Olímpicos de Tóquio (Cris Bouroncle / AFP Photo)

Baiana Beatriz Ferreira conquista o ouro no boxe no Pan de Lima

Pugilista recoloca o Brasil no topo após 12 anos

Coube a uma baiana colocar o Brasil de volta ao lugar mais alto do pódio no boxe dos Jogos Pan-Americanos após 12 anos. Natural de Salvador, a pugilista Beatriz Ferreira conquistou a medalha de ouro na categoria leve (até 60 kg) ao derrotar a argentina Daiana Sánchez.

O último brasileiro campeão pan-americano no boxe foi o também baiano Pedro Lima, natural de Riachão do Jacuípe, nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2007. O ouro de Beatriz foi o único do boxe brasileiro em Lima-2019.

Com várias conquistas internacionais, Bia mostrou força e concentração desde o primeiro round. Ganhou os dois primeiros assaltos com certa facilidade e, no último, administrou a vantagem. Os cinco jurados foram unânimes ao apontar a vitória: 30 a 27.

Com o ouro, Bia se torna a grande esperança do Brasil para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Ao longo dos torneios internacionais em 2018 a baiana chegou a vencer duas medalhistas olímpicas.

"Estou muito satisfeita e feliz por cumprir a missão que a mim foi dada. Acho que todos os combates que eu fiz aqui foram de alto nível. Conquistar esse ouro é conquistar barreiras e abrir o caminho para outras mulheres. O foco é o ouro olímpico, isso aqui é só um amistoso", disse a campeã.

O boxe conquistou seis medalhas em Lima: uma de ouro, três de prata e duas de bronze. Delas, três ficaram com pugilistas baianos. Além de Beatriz, Keno Machado (categoria até 81 kg) e Hebert da Conceição (até 75 kg) ficaram com a prata.

Hebert teve uma boa atuação contra o cubano Arlen López, atual campeão olímpico e mundial na categoria dos médios (até 75kg), mas diante do favoritismo do adversário acabou derrotado por pontos.

A luta foi equilibrada durante os nove minutos dos três rounds disputados, mas o canhoto boxeador de Cuba apresentou maior precisão nos golpes, principalmente nos cruzados de esquerda.

Na busca de atrapalhar o desempenho do adversário, Herbert, que é destro, chegou a troca de guarda para canhoto. No terceiro assalto, o brasileiro foi à lona, por causa de um desequilíbrio, o que não rendeu pontuação para o lutador caribenho. No minuto final da luta, os boxeadores trocaram golpes, mas não conseguiram atingir o rival de forma contundente. 

López venceu de forma unânime. Quatro jurados marcaram 30 a 27, com o cubano vencedor em todos os rounds. Outro anotou um round para o brasileiro (29 a 28 para o pugilista de Cuba).

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas