Baianão continuará e terá rodadas finais com portões fechados

esportes
16.03.2020, 15:57:00
Atualizado: 17.03.2020, 11:52:08

Baianão continuará e terá rodadas finais com portões fechados

Faltam duas rodadas para o fim da primeira fase

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Diferentemente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que interrompeu a Copa do Brasil, e de outros estaduais pelo país, que suspenderam o calendário imediatamente para evitar a disseminação do coronavírus Covid-19, o Campeonato Baiano vai continuar.

Em nota assinada pelo presidente Ricardo Lima, a Federação Bahiana de Futebol (FBF) afirmou que as duas rodadas restantes para o fim da fase classificatória serão realizadas com portões fechados. A justificativa é que "os números confirmados no Estado da Bahia até o presente momento não justificam a paralisação da competição".

A FBF informou também que a 9ª e última rodada, antes marcada para o dia 29 de março (domingo), foi antecipada para o dia 25, uma quarta-feira, com início às 20h30.

O CORREIO apurou que o Baianão será paralisado logo após o fim da fase classificatória. Restarão, para as semifinais, apenas quatro equipes na disputa. Na nota oficial, no entanto, a FBF não revelou o planejamento para as semifinais e final do estadual, agendadas para abril.

PEDIDO DOS CLUBES

O CORREIO apurou ainda que o pedido para que o Baianão fosse mantido até o final da fase classificatória partiu dos próprios clubes, sobretudo os do interior do estado.

O argumento é que, como muitos clubes do interior não possuem calendário em 2020 após o término do estadual, firmaram contratos de trabalho com os atletas apenas até o fim deste mês - ou de abril.

A paralisação do Baiano forçaria essas equipes a estenderem os contratos por alguns meses. Os clubes, no entanto, argumentam não possuir condições financeiras para isso.

"Falo com muita transparência. O presidente (Ricardo Lima) me ligou e me posicionei. O Fluminense de Feira só tem calendário até abril, eu não terei patrocínios a partir de abril. Então vai ficar inviável para mim bancar a folha depois disso", disse o presidente do Touro do Sertão, Pastor Tom.

A ideia é que, com a fase classificatória terminando dentro do previsto, os seis clubes que não avançarem às semifinais possam liberar seus jogadores.

"Adiar o campeonato eu não ia concordar nunca, porque assim como o Fluminense está sem calendário, tem outros clubes na mesma dificuldade. Temos que pensar no bem coletivo. Os clubes do interior não são que nem Bahia e Vitória, que têm competições para o ano todo. Parabenizo o presidente Ricardo Lima pela decisão de acelerar a fase de classificação com portões fechados. Depois, o torneio pode parar por dois ou três meses", completou Pastor Tom.

ALERTA LIGADO

Apesar do apoio à decisão da FBF, alguns clubes estão receosos com o avanço do Covid-19 nas cidades baianas. Assim como o Fluminense, o Bahia de Feira manda seus jogos em Feira de Santana, cidade com o maior número de casos na Bahia - são cinco até o momento.

"Daqui a 10 dias (quando está marcada a última partida, no dia 25 de março) como que vai estar o estado? Ninguém sabe. Aqui em Feira faculdades, colégios, tudo está fechado, ninguém faz nada", analisa Thiago Souza, presidente do Tremendão.

"Mesmo com os portões fechados teremos movimentação de pessoas no estádio. O pessoal que trabalha na manutenção e na segurança, a imprensa, o árbitro que vem de fora, os próprios atletas. Estamos de acordo com o que a FBF decidir, mas estamos preocupados e sem ter uma opinião formada", completou Thiago Souza.

Presidente do Vitória, Paulo Carneiro também declarou ao CORREIO o apoio à decisão tomada pela FBF: "Se a federação determinou isso num momento tão grave que vivemos, só nos cabe cumprir. Sem discutir. Precisamos terminar o campeonato. A regra vale para todos, portanto não há privilégio para ninguém".

O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, se pronunciou através das redes sociais. "Baiano: principal problema está nos clubes menores, que não conseguem alongar contratos com atletas. Continuar com portões fechados seria um caminho. Mas representa risco. Tentamos, mas entendo que não será possível continuar. Nossa solidariedade aos combativos clubes do interior", escreveu via Twitter.

A seguir, a nota da FBF na íntegra:

“A Federação Bahiana de Futebol (FBF) vem a público manifestar o posicionamento de manter as duas últimas rodadas da fase de classificação do Campeonato Baiano de Futebol da Série A 2020, inicialmente programadas para os próximos domingos, 22 e 29/03, porém determinando a realização das partidas em estádios com portões fechados e avaliando a possibilidade de antecipação dos jogos, posicionamento que conta com o apoio unânime dos Presidentes dos Clubes participantes. A FBF está atenta ao monitoramento dos casos suspeitos do COVID-19, mas entende que os números confirmados no Estado da Bahia até o presente momento não justificam a paralisação da competição, que trará um prejuízo enorme e sem precedentes no futebol baiano, inclusive com concreta possibilidade da mesma não poder ser concluída”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas