Baiano de 22 anos é morto a facadas por filipino na Espanha

salvador
14.12.2013, 08:57:00

Baiano de 22 anos é morto a facadas por filipino na Espanha

Odycleidson Moraes do Nascimento, 22 anos, foi morto a facadas, no apartamento, onde fazia serviço doméstico em troca de hospedagem
Odycleidson: serviço doméstico em troca de hospedagem na Espanha

Morador da cidade de Blanes, na Espanha, o baiano Odycleidson Moraes do Nascimento, 22 anos, foi morto a facadas, no apartamento onde vivia. O crime aconteceu na semana passada e desde a última terça-feira, a mãe de Odycleidson, Maria Cristina Moraes, 44, está no país para tentar trazer o corpo do filho para o Brasil. “Custa quase R$ 21 mil e não temos dinheiro, mas o consulado do Brasil diz que não tem obrigação de pagar”.

Segundo a polícia espanhola, o brasileiro foi apartar uma briga entre o padre com quem morava, Jaume Reixach, e um filipino identificado como Eulogio Sol Lumalang, 44. Ainda segundo a polícia, o filipino foi para a Espanha com a ajuda do pároco, há 18 anos.

Odycleidson, conhecido como Kekeo, foi levado ao país por Reixach, há quatro anos e não tinha visto. “O padre conheceu Kekeo no Carnaval em Salvador. Se apresentou como uma pessoa do bem, casado com uma brasileira. Nem sabíamos que era padre”, contou Maria Cristina.

Os custos da viagem do jovem, que morava em Sete de Abril, foram pagos por Reixach. Segundo a família, Odycleidson fazia serviço doméstico em troca de hospedagem.  A Justiça da Espanha determinou a prisão do filipino esta semana. À polícia, ele admitiu ter matado o baiano, por medo de perder a herança do padre.

Lumalang contou que mantinha relações sexuais com Reixach, em troca de dinheiro e drogas. O Ministério das Relações Exteriores  informou que acompanha o caso e  tem dado assistência à família. Segundo o Itamaraty, não há previsão legal de que o órgão providencie o transporte do corpo.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas