Barroso diz que Poder Judiciário não tem como "paralisar" as fake news

brasil
17.08.2020, 06:36:53
Atualizado: 17.08.2020, 06:43:10
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Barroso diz que Poder Judiciário não tem como "paralisar" as fake news

Ministro disse que já se reuniu com representantes das empresas que mantêm mídias sociais mais usadas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Poder Judiciário não tem instrumentos para barrar as fake news, mas as empresas que exploram as redes sociais mudaram de posição recentemente e passaram a colaborar no combate ao fenômeno, segundo o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso. "Não se deve cultivar a ilusão de que pela via do Judiciário você consiga paralisar fake news", disse Barroso em entrevista ao programa Canal Livre, da Band TV, exibida no início da madrugada desta segunda-feira, 17.

O ministro afirmou que já se reuniu com representantes das empresas que mantêm as mídias sociais mais utilizadas no País - Facebook (que também controla o WhatsApp e o Instagram), Twitter e Google - e percebeu uma "disposição muito grande" de colaboração no combate à disseminação de notícias falsas e campanhas de desinformação. "Isso é uma mudança de comportamento importante, porque até há pouco tempo elas rejeitavam qualquer colaboração nessa matéria sob o fundamento de que não queriam atuar como uma censura privada. Mas a verdade é que passaram a ter um comprometimento de imagem, porque associadas à degeneração da democracia. E a verdade é que elas mudaram de conduta", disse Barroso.

Para o ministro, "a questão das notícias fraudulentas, das campanhas de desinformação, das campanhas de ódio são o novo perigo da democracia", e é preciso enfrentá-la "sem que isso importe em censura prévia". Em algumas situações, de acordo com Barroso, o Poder Judiciário e a polícia podem contribuir no combate ao fenômeno, mas há três motivos, segundo o ministro, que tornam o processo ineficaz: a dificuldade em caracterizar o que é fake news, a falta de agilidade do sistema e o fato de que muitas vezes o material fraudulento é gerado ou publicado fora do Brasil. "Portanto, a nossa principal opção de combate às fake news se dá pela via das próprias plataformas eletrônicas, das próprias mídias sociais."

O combate às fake news, segundo Barroso, deve se concentrar no monitoramento de perfis falsos, contas fraudulentas, robôs e impulsionamentos artificiais de conteúdo. "O que nós precisamos enfrentar são essas estruturas hierarquizadas que dão comandos para disseminação de notícias fraudulentas, com comportamentos concertados e financiados para destruir reputações e instituições", disse o ministro. "A verdade não tem dono, mas a mentira deliberada tem, e essa precisa ser combatida."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas