BBB 22: Naiara Azevedo entrou no reality com dívida de R$ 4,3 milhões

em alta
19.01.2022, 13:24:00

BBB 22: Naiara Azevedo entrou no reality com dívida de R$ 4,3 milhões

De acordo com jornalista, contas da cantora já teriam sido bloqueadas

Não é de R$ 50 nem R$ 1,5 milhão. Participante do BBB 22 desde segunda-feira, 17, a cantora Naiara Azevedo estaria enfrentando processos judiciais que podem ser tornar em dívida de R$ 4,3 milhões. É o que reportou o jornalista Erlan Bastos, do portal Em Off, nessa terça-feira, 18. A equipe da sertaneja não se pronunciou sobre o informado até o momento.

Segundo ele, uma das dívidas de Naiara seria com o Banco do Brasil, que cobra R$ 1.003.732,33. Ela tem até 15 dias para contestar a dívida, conforme decisão do Tribunal de Justiça do Estado Paraná (TJ-PR), e também pode parcelar o pagamento em seis vezes caso haja pagamento do valor mínimo de 30% da quantia, equivalente a R$ 300 mil.

A segunda dívida de Naiara seria ao lado do ex-marido, Raphael Cabral, de quem se separou em agosto do ano passado. A empresa goiana Mega Produções cobra R$ 3.339.044,33; os dois teriam solicitado à produtora que aguardasse até o fim da pandemia de Covid-19 para o pagamento. Ainda segundo Erlan, a Justiça teria bloqueado R$ 32 mil da cantora.

Naiara Azevedo no BBB 22: início marcado por controvérsias
A chegada de Naiara na casa do BBB 22 tem sido considerada desagradável para internautas. Além de demandar uma cama de solteiro, o que chateou alguns participantes, a cantora já tem protagonizado memes na Internet com comentários sobre seu comportamento expansivo, comparações à ex-BBB Karol Conká e até piadas sobre o fato de ter matado uma barata com o pé descalço.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas