Biografia revela vida sexual de Obama e seu envolvimento com drogas

mundo
30.05.2017, 13:43:00
Atualizado: 30.05.2017, 14:20:32

Biografia revela vida sexual de Obama e seu envolvimento com drogas

As informações contidas no livros de David Garrow causaram polêmica na mídia norte-americana. Autor afirma não se sentir invasivo e de ter cumprido dever como historiador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O historiador David Garrow, revelou no livro “Rising Star” (Estrela em Ascenção) detalhes sobre a vida sexual de  Barack Obama e o envolvimento do ex-presidente dos Estados Unidos com o consumo de cocaína. A biografia, lançada este mês, contém quase 1.500 páginas e narra a vida de Obama antes da sua carreira política, envolvendo questões sobre ambição e família. 

Para o trabalho, David  Garrow entrevistou e teve acesso ao diário de Genevive Cook, uma ex-namorada de Obama que contou detalhes sobre como eram as relações sexuais dos dois e como utilizavam drogas. Barack Obama nunca negou o consumo das substâncias. De acordo com Genevive, ele cheirava uma carreira de cocaína a cada cinco que os amigos ingeriam, ressaltou ainda que o sexo entre eles era prazeroso e libertador. 

Outra ex-namorada também é citada na obra, Sheila Miyoshi Jager, atualmente professora da Oberlin College. Obama decidiu casar com Sheila em 1986, mas os pais delas não autorizaram por considerar a moça ainda jovem demais. 

Apesar de Obama ser negro, os pais de Sheila o viam como um garoto branco de classe média, o que permitiu que eles ainda continuassem juntos. Aos 25 anos, Barack começou a se identificar cada vez mais com as causas do movimento negro e aumentou a ambição de se tornar presidente. 

As revelações causaram polêmica na mídia norte-americana. Questionado se estaria sendo invasivo, o Garrow afirmou estar apenas cumprindo seu papel como historiador. “O diário de Genevieve e suas memórias e as de Sheila são o que são. Meu trabalho como historiador é recontar o que elas acreditavam ser importante. E nem eu e nem elas podem controlar os jornalistas de tabloides que estão tão preocupados com sexo e pouco interessados em seu histórico político”, esclareceu.

Segundo informações do O Globo, o livro ainda contém outros fatos desconhecidos sobre a história do ex-presidente, como uma pesquisa que ele fez para saber se deveria utilizar seu nome oficial, ou o apelido Barry, para concorrer ao senado. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas