Brasil derrota a Holanda na raça e segue com chance no Mundial

esportes
10.10.2018, 10:22:00
Tandara anotou 28 pontos para o Brasil (FIVB / Divulgação)

Brasil derrota a Holanda na raça e segue com chance no Mundial

Seleção decidirá vaga contra o Japão

A seleção brasileira feminina de vôlei manteve a expectativa de conquistar o inédito título mundial, ao derrotar a Holanda, nesta quarta-feira (10), por 3 sets a 2, com parciais de 23/25, 25/18, 25/27, 25/19 e 15/7, em Nagoya, no Japão. 

O jogo foi válido pela penúltima rodada da segunda fase. O time do técnico José Roberto Guimarães decidirá com o Japão a última vaga do Grupo E para a terceira fase, na quinta-feira (11), às 7h20. O Brasil é o quarto colocado, com 18 pontos, atrás de Sérvia, Japão e Holanda, todos com 21. Só as sérvias estão classificadas. Além de Brasil x Japão, a última rodada reserva o duelo entre Sérvia e Holanda. A decisão da vaga pode acontecer na média de sets ou na média de pontos.

Para avançar, o Brasil precisa superar o Japão por 3 sets a 0. Assim, empataria com o rival em pontuação e também na média de sets. O desempate, portanto, ficaria para a média de pontos, que no momento é favorável às brasileiras. Bicampeã olímpica, em 2008 e 2012, a seleção feminina busca o título inédito do Mundial.

O destaque do jogo foi a oposta Tandara, com 28 pontos. A ponteira Gabi conseguiu 13. Do lado das Holanda, Lonneke Slöetjes anotou 25. O ataque brasileiro marcou 56 pontos, enquanto o bloqueio foi responsável por outros 16.

Zé Roberto escalou a equipe com Roberta, Tandara, Drussyla, Gabi, Adenízia e Bia, além da líbero Suelen como titulares. Dani Lins, Natália, Fê Garay, Carol e Thaisa entraram durante os cinco sets.

"Hoje veio uma vitória que precisávamos na competição. Isso mostra a força desse grupo e o quanto estamos entregues na busca pelos nossos objetivos. Amanhã teremos uma partida ainda mais importante e sabemos que será uma outra pedreira. Vamos ter que estar bem preparadas", afirmou Tandara.

Zé Roberto apontou irregularidades na equipe. "Ainda estamos oscilando na competição. O nosso saque e o bloqueio melhoraram, mas o passe ainda precisa evoluir. Hoje fiquei feliz com a disposição do time. Sentimos um comprometimento muito grande das jogadoras pelo resultado. Tanto no vídeo, como na vinda para o ginásio e no vestiário, a energia estava diferente e isso contagiou o grupo. Esse é o Brasil que conhecemos e queremos".

No Grupo F, Itália e China já estão classificadas. A última vaga da chave é disputada por Estados Unidos e Rússia. As norte-americanas encaram as italianas na quinta-feira (11), enquanto as russas terão pela frente as chinesas, atuais campeãs olímpicas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas