Brasil quebra recorde sul-americano nos 4x100m no Mundial de Doha

esportes
05.10.2019, 17:39:00
Atualizado: 05.10.2019, 17:40:44
Time brasileiro ficou em quarto no revezamento 4x100 do Mundial de Doha (Foto: Wagner Carmo/CBAt)

Brasil quebra recorde sul-americano nos 4x100m no Mundial de Doha

Equipe brasileira terminou em quarto e não conseguiu vaga no pódio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A equipe brasileira masculina do revezamento 4x100 metros voltou a mostrar força no Mundial de Atletismo ao quebrar neste sábado, em Doha, o recorde sul-americano desta prova. O quarteto formado por Rodrigo Nascimento, Vitor Hugo dos Santos, Derick Silva e Paulo André cravou o tempo de 37s72 na final no Catar. A marca, porém, não foi suficiente para garantir um lugar no pódio ao time nacional, que terminou em quarto lugar.

A medalha de ouro foi conquistada pela equipe dos Estados Unidos, composta por Cristian Coleman, Justin Gatlin, Michael Rodgers e Cravon Gillespie, que ficou na primeira posição ao cruzar a linha de chegada em 37s10.

A prata foi obtida pela Grã-Bretanha e assegurada com a performance de Adam Gemili, Zharnel Hughes, Richard Kilty e Nethaneel Mitchell-Blake, que terminaram a prova com o tempo de 37s36. No dia anterior, eles haviam sido os líderes das eliminatórias, com 37s56.

O pódio foi fechado pelo time do Japão, formado por Shuhei Tada, Kirara Shiraishi, Yoshihide Kiryu e Abdul Hakim Sani Brown, que garantiu o bronze com a marca de 37s43.

Os brasileiros não conseguiram uma medalha, mas deixaram a pista de disputas em Doha satisfeitos com o ótimo desempenho que apresentaram, pois derrubaram uma marca continental que perdurava desde os Jogos Olímpicos de Sydney-2000. Eles já haviam igualado o tempo obtido há 19 anos na Austrália nas eliminatórias da última sexta-feira, quando marcaram 37s90 e avançaram à final, objetivo que também assegurou ao País uma vaga na Olimpíada de Tóquio-2020 nesta prova.

"Fizemos essa marca muito boa, a realidade do Brasil hoje é o 4x100m. Vamos melhorar individualmente para trazer bons resultados no 4x100m. Continuem confiando na gente, Tóquio é logo ali", afirmou Paulo André, em entrevista ao SporTV após a final.

Rodrigo Nascimento também exaltou o desempenho do quarteto nacional. "A gente conseguiu correr na casa dos 37s, que era o nosso objetivo. Acredito que a gente saia muito feliz com tudo o que aconteceu. Vou mais enaltecer este resultado, este quarto lugar, do que lamentar", disse o velocista.

Derick Silva, por sua vez, destacou que a equipe brasileira corrigiu os erros cometidos no qualificatório de sexta-feira para melhorar a performance neste sábado. "No aquecimento hoje conseguimos ajustar o que a gente errou nas eliminatórias e dentro da prova a gente acertou o que a gente tinha errado ontem e deu este resultado que deu hoje", disse. "O resultado foi um recorde sul-americano fantástico", acrescentou Vitor Hugo.

PROVA FEMININA
A final prova feminina do revezamento 4x100m do Mundial foi vencida pela equipe jamaicana, com Natalliah Whyte, Shelly-Ann Fraser-Pryce, Jonielle Smith e Shericka Jackson brilhando com o tempo de 41s44, novo recorde da competição.

A prata ficou com a Grã-Bretanha, com 41s85, e bronze com os Estados Unidos (42s10). O Brasil chegou a se classificar para a final na última sexta-feira, mas foi desqualificado pouco depois da prova pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), que apontou que uma das brasileiras invadiu a raia de uma adversária durante a disputa.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/como-tratar-a-dor-da-chikungunya-entenda-fases-da-doenca/
Registro de casos aumentou 440% na Bahia nos últimos seis meses; sintoma pode se tornar crônico e durar anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais