Campeã mundial de basquete, Ruth de Souza morre por covid-19

esportes
13.04.2021, 18:00:00
Ruth de Souza morreu por covid-19 aos 52 anos (Foto: Divulgação)

Campeã mundial de basquete, Ruth de Souza morre por covid-19

Ex-jogadora tinha 52 anos e estava internada desde o fim de março

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O esporte brasileiro perdeu nesta terça-feira (13) mais uma figura para a covid-19. Ruth Roberta de Souza, campeã mundial de basquete feminino em 1994, morreu às 6h30 da manhã aos 52 anos na cidade natal de Três Lagoas (MS). Após ser internada no fim de março e até apresentar melhoras, ela não resistiu.

A notícia foi confirmada pela Confederação Brasileira de Basketball (CBB) e pela família, através de uma sobrinha que vinha atualizando suas redes sociais com informações sobre o quadro de saúde.

"É com pesar que Nely e Rubens informam o falecimento da minha irmã Ruth Roberta de Souza, hoje, às 6h30 da manhã. Agradecemos às orações, agora ela descansou", escreveu a sobrinha.

Ruth fez parte de uma das gerações mais vitoriosas do basquete feminino brasileiro. Ao lado de jogadoras como Paula e Hortência, foi campeã do Pan-Americano de Havana, em 1991, quando a equipe bateu na final a anfitriã Cuba e recebeu as medalhas no pódio diretamente do presidente do país, Fidel Castro. Anos mais tarde, em 1994, viria o maior título da carreira de todas essas atletas.

Na Austrália, a seleção feminina derrotou os Estados Unidos na semifinal e superou a China na decisão para ficar com o título do Mundial. A pivô participou dessa campanha e também da primeira participação olímpica da equipe, nos Jogos de Barcelona, na Espanha, em 1992. Após deixar as quadras, Ruth virou treinadora de equipes em Três Lagoas e participava com frequência de eventos promovidos pela CBB.

Vice-presidente da entidade, Paula Gonçalves, a Magic Paula, lamentou a morte da ex-companheira de quadra. "Perdi uma amiga, com uma história de vida de muitos desafios, mais jamais perdeu sua doçura e sempre com seu jeito humilde e eficiente na convivência em grupo. Dia muito triste para mim. Ruth fazia parte da minha família e sempre recebida com carinho, como merecia. Que ela faça esta passagem com muita luz", disse a dirigente.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas