Capital baiana pode virar o maior polo turístico do Brasil

agenda bahia
13.10.2013, 14:27:00
Atualizado: 31.07.2017, 15:01:28

Capital baiana pode virar o maior polo turístico do Brasil

Segundo o sócio fundador da CVC, o país ainda não tem uma capital que seja um real modelo de turismo
Patrícia Nobre fez a moderação do debate entre Guilherme Paulus, Bellintani, Leonelli e Fabio Mota (Fotos: Robson Mendes/CORREIO)

O sócio-fundador da agência de turismo CVC, Guilherme Paulus, não poupou críticas a Salvador, mas deixou uma mensagem positiva e otimista durante o debate sobre Desenvolvimento Turístico, na quarta edição do Fórum Agenda Bahia: “Salvador tem tudo para ser o maior polo de atração turística do Brasil”, afirmou o empresário. Segundo ele, o Brasil ainda não tem uma grande capital que seja um real modelo de turismo.

“Com todos os problemas, São Paulo ainda é a mais bem preparada”, considerou. O empresário sugeriu aos secretários de Turismo a elaboração de um projeto que possa planejar e pensar a Salvador de 2030. Um programa que, segundo ele, pudesse ser respeitado, independentemente de quem estivesse no poder e transformasse a capital da Bahia em uma referência no turismo.

Paulus também destacou a importância de um esforço conjunto para baixar o preço das passagens aéreas. “É preciso baratear os custos para levar e transportar turistas”, disse.

Guilherme Paulus ainda fez um apelo a artistas baianos como os antigos Doces Bárbaros, Gilberto Gil e Caetano Veloso. “É preciso que esses nossos artistas voltem a falar bem da cidade. Hoje não os ouvimos falar bem de Salvador, todo mundo só critica”, repreendeu.

Ao longo do debate, Paulus disse que, durante os eventos esportivos, Salvador e o Brasil poderiam aprender com os bons exemplos de Barcelona (Espanha) e Sidnei (Austrália), cidades que se tornaram referências em turismo depois de sediar os Jogos Olímpicos. “Há 15 anos, todo mundo detestava Barcelona. Hoje, todo mundo quer conhecer”, resumiu.

Prioridade

Para Fábio Mota, Salvador tem potencial de crescer no turismo náutico

O secretário nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo do Ministério do Turismo (MTur), Fábio Mota, defendeu durante o debate que o setor seja tratado com mais importância pelas esferas de governo estadual e municipal. “Esse segmento responde por cerca de 20% do Produto Interno Bruto de Salvador e por 6% do PIB estadual. Então é preciso que tenha destaque nas políticas públicas”, sustentou, após criticar a demora na execução de obras com recursos liberados há cerca de cinco anos.

Mota destacou o turismo náutico como um dos principais vetores de crescimento do turismo em Salvador e na Baía de Todos os Santos. “Salvador tem a segunda maior baía do mundo”, disse.

O secretário do Ministério do Turismo citou como exemplo um país do Leste Europeu. “Se você for à Croácia, um país bem pequenininho, menor que o estado da Bahia, verá que eles conseguem ter hoje o triplo ou o quádruplo de quantidade de turistas nessa área em comparação como Brasil como um todo. Temos 8,5 mil quilômetros de litoral no Brasil e não acordamos ainda para aproveitar o potencial de turismo náutico”, completou o secretário.

Apesar de fazer críticas severas à falta de infraestrutura, ele deixou uma mensagem otimista. “Dá para fazer muita coisa até a Copa do Mundo”, disse.

Boa imagem

Leonelli destacou que número de leitos em hotéis de Salvador subiu de 35 para 39 mil

“Analisar a ocupação hoteleira e concluir que Salvador está perdendo turistas é uma impressão recorrente, mas não é absolutamente verdadeira”, afirmou o secretário estadual de Turismo, Domingos Leonelli, durante o debate. Segundo ele, nos últimos anos o número de leitos em hoteis subiu de 35 mil para 39 mil e, por isso ficou mais difícil de ter a mesma ocupação.

“É exatamente essa diferença de 5% a 6% da taxa de ocupação. Salvador perdeu em número percentual, mas não em quantidade absoluta de turistas”, afirmou o secretário. Segundo ele, os anos de governo do ex-prefeito João Henrique fizeram com que Salvador crescesse menos do que a Bahia. “Mas agora temos a chance de reagir rapidamente a isso”, projetou.

Para ele, o principal caminho para atrair mais turistas é investir em um bom receptivo. “88% das viagens são feitas por recomendação boca a boca, que agora é pela internet. E quando a cidade está funcionando, o serviço de informação turística funcionando, o turista não se sente só”, defendeu.

Domingos Leonelli afirmou que a secretaria irá investir também na recepção dos jornalistas que estarão na capital para cobrir os jogos: a proposta é divulgar uma imagem positiva do turismo baiano para o mundo.

Também durante o debate, Leonelli afirmou que as manifestações ocorridas no país recentemente não afetarão tanto o turismo na Copa do Mundo. “Manifestação as pessoas sabem que os turistas não se envolvem. A África do Sul teve manifestação e ninguém deixou de ir”.

Leonelli também enumerou as ações que estão sendo desenvolvidas pela secretaria para fidelizar o turista.

Encantos culturais 

Bellintani: "Se você estiver encantado pelo lugar, você volta"

O secretário de Desenvolvimento Cultura e Turismo de Salvador, Guilherme Bellintani, discordou de Domingos Leonelli sobre a importância da qualificação profissional na atração de turistas. “Qualificação é importante, mas não é o principal. Recentemente estive na Índia e os serviços foram um desastre, mas voltaria lá porque há valores culturais que se sobrepõem à falta de qualificação”, defendeu, para depois emendar: “Se você estiver encantado pelo lugar, você volta. Mas não dá para usar isso como desculpa para não completar as lacunas que ainda precisam melhorar”.

Bellintani também comentou o imbróglio das barracas de praia, segundo ele em fase final de entendimento com a Justiça. “O prefeito proibiu essa palavra: ... de praia. É quiosque de praia”, brincou. Segundo ele, em novembro será lançada a licitação para a construção de 88 quiosques, parte deles desmontáveis.

No final do debate, o secretário aproveitou para pedir ao secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo do Ministério do Turismo, Fábio Mota, mais verba para o turismo. E também apelou para o vereador e antecessor Claudio Tinoco, presente na plateia, para que ajudasse na aprovação do orçamento municipal na Câmara de Vereadores.

Tinoco é o presidente da Comissão de Orçamento da Câmara. O orçamento prevê R$ 74 milhões em recursos públicos para a secretaria, ante os R$ 5,5 milhões destinados no orçamento anterior. “Se no finalzinho ainda sobrar algum dinheiro, pode mandar pra gente também”, brincou

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas