Cenas de Carnaval: Durval Lélys, o arteiro

salvador
29.01.2019, 05:00:00
(Roberto Abreu/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: Durval Lélys, o arteiro

Fantasiado em nome do espírito do Carnaval

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Durval Lélys, em bom baianês, é um arteiro. Olhar o arquivo de fotos do cantor no CORREIO provoca risadas e belas memórias com suas fantasias anuais. Em mente, vem a pergunta: qual era a música dessa fantasia? Vampiro, pirata, rei, gênio, pintor...

Mas também tem foto plantando bananeira, dançando com foliã, numa lança telescópia (máquina tipo elevador), entre outras. Um espetáculo à parte.

“O Carnaval em si remete à brincadeira. Sempre não é só a apresentação, meu espírito é carnavalesco. Não é só cantar, é passar um espírito do Carnaval para as pessoas que vêm para a Bahia em busca desse teatro aberto”, conta Durvalino, que enumera outros artistas, como Timbalada, Olodum e as cantoras que criam figurinos para a festa, como quem também mostram esse espírito.

A influência vem de longe e de perto. Seja com Luiz Caldas (“com aquele jeito meio índio”) ou mais além: “Uma inspiração grande foi Carmen Miranda, que representou o Brasil no mundo com esse espírito. Isso ficou marcado dentro de mim, assim com Evandro de Castro Lima e Clóvis Bornay, que suavam fantasias exóticas para representar o Brasil naqueles bailes”.

Aos 61 anos, Durval tem quase 40 carnavais no currículo, primeiro com a Banda Pinel, passando pelo enorme sucesso com o Asa de Águia até a fase solo, a partir de 2014. 

Pode parecer difícil imaginar que ele tem, na cabeça, um momento particular e inesquecível do Carnaval baiano, mas Durval surpreende e, na ponta da língua, sem titubear, revela.

“Nos 100 anos de Carnaval (1984). Eu tava com a Banda Pinel, num trio no Farol da Barra. Do outro lado da rua, no posto, estava do trio do Eva. E, no palco, Dodô & Osmar tocando. Aquele momento, com mais de 100 mil pessoas na rua, marcou minha vida. Me senti consolidado no Carnaval como artista”, conta. 

Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio de Claro, Fieb, Salvador Shopping, Vinci Airports e Unijorge

(Márcio Costa e Silva/Arquivo CORREIO)
(Luiz Hermano/Arquivo CORREIO)
(Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)
(Haroldo Abrantes/Arquivo CORREIO)
(Alessandro Macedo/Arquivo CORREIO)
(Sidney Haack/Arquivo CORREIO)
(Andréa Farias/Arquivo CORREIO)
(Paulo M. Azevedo/Arquivo CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas