Chelsea recebe proposta de compra de grupo árabe: R$ 18 bilhões

esportes
14.03.2022, 16:32:00
Roman Abramovich colocou Chelsea à venda no início do mês (Justin Tallis/AFP)

Chelsea recebe proposta de compra de grupo árabe: R$ 18 bilhões

Saudi Media Group teria feito oferta para arrematar o clube inglês de Roman Abramovich

A imprensa inglesa divulgou nesta segunda-feira (14) que o Saudi Media Group, da Arábia Saudita, teria feito uma oferta de 2,7 bilhões de libras (R$ 18 bilhões na cotação atual) para comprar o Chelsea de Roman Abramovich.

No início de março, o bilionário russo colocou o clube à venda após sofrer críticas da opinião pública e sanções do governo britânico, por conta de seu envolvimento com Vladimir Putin, que ordenou a invasão da Ucrânia pelas tropas russas.

O canal de televisão norte-americano CBS afirmou que a proposta teria partido de Mohamed Alkhereiji, diretor do grupo de mídia e CEO da empresa de engenharia Engineer Holding Group. O bilionário estudou no Reino Unido, na Business School, em Londres, e é torcedor fanático do Chelsea.

Segundo consta, Alkhereiji não teria ligações com o governo saudita, o que facilitaria uma futura negociação com o Chelsea e o Reino Unido, que "controla" a situação do clube desde as sanções sobre Abramovich. No final do ano passado, a venda do Newcastle para o grupo controlado pelo príncipe Mohammed Bin Salman demorou a se concretizar por conta de sua relação direta com a monarquia saudita.

Entretanto, Alkhereiji não possui garantias bancárias suficientes para o negócio, necessitando assim de parceiros. Dentres eles, está Mohammed bin Khalid Al Saud, diretor da Saudi Telecom Company (STC), empresa estatal de telecomunicações do país, e por conta disso não poderia entrar oficialmente na negociação.

A operação também contaria com uma reforma do Stamford Bridge, estádio do Chelsea, e investimentos no futebol feminino. Além disso, caso o clube venha realmente a trocar seu patrocinador master, uma nova companhia aérea da Arábia Saudita seria a mais provável a substituir a "Three", empresa de telefonia móvel, na parte frontal da camisa.

Desde a última quinta-feira (10), o Chelsea opera sob uma licença especial concedida pelo governo britânico, que possibilita seguir existindo como um clube de futebol. Apesar de não conseguir vender ou contratar novos jogadores, o Reino Unido se mostrou disposto a auxiliar na venda do Chelsea, desde que "Abramovich não fosse beneficiado no processo".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas