Chesf completa 73 anos com 24 novos empreendimentos na Bahia

especiais patrocinados
25.03.2021, 06:00:00
Atualizado: 25.03.2021, 10:50:55
Paulo Afonso I, II e III (Acervo )
Estúdio Correio -

Chesf completa 73 anos com 24 novos empreendimentos na Bahia

Empresa é uma das que mais investiu no Estado com mais de 1 bilhão entre 2017 e 2020

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Para a física, a energia é a capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico tem de realizar um trabalho. No dia a dia, ela mantém nossos alimentos refrigerados, se transforma na eletricidade que abastece indústrias e hospitais; na brisa do ar-condicionado e do ventilador, na comodidade do banho quente; na segurança das ruas e casas iluminadas; na conexão com o mundo através dos celulares; no entretenimento da televisão, do computador da internet e na facilidade do uso cada vez maior de outros aparelhos eletrodomésticos e eletrônicos. Não seria exagero dizer que é a energia o que nos move e move o mundo.

Podemos até não saber de onde vem, mas a energia elétrica é gerada pelas usinas hidrelétricas, termelétricas, solares fotovoltaicas e eólicas. No Nordeste e em parte do Brasil, a eletricidade chega hoje até a nossa rotina graças ao surgimento de um grande projeto, nas margens do Velho Chico: a Chesf. A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco surgiu há exatos 73 anos, no dia 15 de março de 1948. Mas a história começou um pouco antes: a inspiração veio do industrial cearense, Delmiro Gouveia, que, em 1913, construiu uma pequena central hidrelétrica para o funcionamento da sua indústria têxtil, entre os estados de Alagoas e Bahia, onde atualmente ficam os municípios Paulo Afonso, no território baiano, e Delmiro Gouveia, em terras alagoanas.

“A ideia foi aproveitada por Apolônio Sales, político pernambucano, que a apresentou ao Governo Federal, na época do Estado Novo. O então presidente Getúlio Vargas criou, por decreto Lei, em 1945, a Chesf, que viria a ser constituída em sua primeira assembleia no ano 1948, durante o mandato do presidente Eurico Gaspar Dutra. A Companhia foi a primeira empresa pública a levar a energia necessária para serem desenvolvidas as atividades industriais da Região Nordeste, contribuindo para o desenvolvimento do País”, conta Luiz França Júnior, gerente de departamento da Chesf na Regional de Salvador. O relato ficou, inclusive, imortalizado na voz de Luiz Gonzaga, na música “Paulo Afonso” de 1955:

Delmiro deu a idéia
Apolônio Aproveitô
Getúlio fez o decreto
E Dutra realizo...”

"A Chesf foi a primeira empresa pública a levar a energia necessária para serem desenvolvidas as atividades industriais da Região Nordeste, contribuindo para o desenvolvimento do País” _ Luiz França Júnior, gerente de departamento da Chesf – Regional Salvador

Em 1955, Paulo Afonso I, a primeira usina da Chesf, foi inaugurada com capacidade instalada de 180 mil Quilowatt. Depois disso, a sequência de hidrelétricas Paulo Afonso II, III, a usina de Apolônio Sales (conhecida como Moxotó) e Paulo Afonso IV completaram o Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso

De lá para cá, a Companhia cresceu, ajudou a desenvolver o Nordeste e o estado da Bahia e apenas entre os anos de 2017 e 2020, entraram em operação 24 novos empreendimentos de geração e transmissão e uma série de obras de melhorias em linhas de transmissão e subestações, ultrapassando a marca de R$ 1 bilhão de reais em investimentos na Bahia, se tornando uma das empresas que mais contribuíram para o desenvolvimento do Estado.

Casa Nova II (Foto:  André Schuler)

Algumas das últimas entregas da Chesf na Bahia foram as subestações de Pindaí II e Morro do Chapéu II de 230 kV e Igaporã III em 500 kV além de todas as linhas de transmissão associadas para interligar essas novas subestações ao Sistema Interligado Nacional, adicionando 3.600 Megawatts (MW) de potência – o suficiente para atender às necessidades de consumo de mais de 3,5 milhões de residências. A Companhia entregou, também, os parques eólicos de Casa Nova II e III, nos anos de 2017 e 2018, o parque Casa Nova I-A, em setembro de 2020, e concluiu o de Pindaí, constituído por 11 parques e 55 aerogeradores. A conclusão desses quatro empreendimentos representa um incremento de quase 200 MW na capacidade instalada da Empresa, beneficiando milhares de famílias.

Morro do Chapéu (foto: Arquivos Chesf)

E não para por aí. Até 2022, a Chesf está autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a implantar novos equipamentos na Grande Salvador, Itabuna, Morro do Chapéu, Eunapólis e Juazeiro. “Com as ações de investimentos em seu sistema de transmissão, a Chesf reitera e renova seu compromisso de suprir de forma confiável e sustentável a necessidade da Bahia e dos baianos por energia de qualidade”, afirma o gerente de departamento da Chesf Regional de Salvador.

Inovação
A Chesf tem acreditado e, por isso, investido para alinhar o seu setor de P&D+I - área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – com a tendência nacional de descarbonizar, descentralizar e digitalizar a geração e transmissão de energia elétrica. Somente em 2020, foram R$ 100 milhões destinados para a área, sendo R$ 33 milhões destinados para a Bahia. O investimento foi distribuído em dois projetos estratégicos e inovadores no Estado.  Um deles é a exploração da Energia Solar no reservatório da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, com placas fotovoltaicas flutuantes. A iniciativa, que tem gerado desenvolvimento e emprego, coloca a Companhia na vanguarda da geração de eletricidade no País.

Planta Fotovoltaica Flutuante de Sobradinho (Foto: Tatiana Learth)

“Essa Usina é uma plataforma solar flutuante, com potência instalada inicial de 1 megawatt, com previsão de dobrar a capacidade ainda neste ano. É o maior projeto de Pesquisa e Desenvolvimento desse tipo de energia flutuante no País, em reservatório de hidrelétrica. Atualmente, são 3.792 módulos de placas solares e área total de cerca de 10 mil m².

O projeto instalado no Reservatório de Sobradinho (BA) é fixado ao fundo do lago por cabos, com material próprio para suportar o peso das placas e dos trabalhadores que atuam na construção e manutenção”, destaca Jorge Xavier, supervisor de operação da Usina de Sobradinho. A usina solar terá potência instalada de 2,5 megawatts, ocupando uma área total de 2,5 hectares de superfície d´água.

“A Usina com a plataforma solar flutuante é o maior projeto de Pesquisa e Desenvolvimento desse tipo de energia no País. A iniciativa tem gerado desenvolvimento, emprego e coloca a Chesf na vanguarda da geração de eletricidade no País” - Jorge Xavier, supervisor de operação da Usina de Sobradinho

Websérie

 

As pessoas entrevistadas que aparecem sem máscara, estavam em ambiente seguro dentro das áreas da Chesf, seguindo todos os protocolos de segurança estabelecidos pela Companhia para realização das entrevistas.


O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048