Chile contrata advogado brasileiro para tentar ir à Copa do Mundo

esportes
27.04.2022, 17:01:00
Byron Castillo em jogo do Equador contra a Argentina (Seleção do Equador/Divulgação)

Chile contrata advogado brasileiro para tentar ir à Copa do Mundo

Eduardo Carlezzo vai analisar caso de jogador que atuou pelo Equador mas teria nascido na Colômbia

O caso do atleta Byron Castillo, que atuou pela seleção equatoriana em vários jogos das Eliminatórias da América do Sul para a disputa da Copa do Mundo do Catar, e que teria na verdade nascido em Tumaco, na Colômbia, promete movimentar os bastidores do futebol do continente.

Para investigar a situação, o Chile, que não se classificou para o Mundial deste ano, contratou o advogado brasileiro Eduardo Carlezzo, que já havia defendido a seleção chilena em situação similar durante as Eliminatórias para a Copa da Rússia, em 2018.

O Equador poderia perder todos os pontos que conquistou nas partidas nas quais Castillo esteve presente, nos jogos contra Paraguai, Venezuela, Chile, Uruguai e Bolívia. Caso seja punida com a perda dos pontos, a seleção equatoriana terminaria na última posição das Eliminatórias.

A seleção chilena e a do Peru seriam as principais beneficiadas de uma punição ao Equador, ficando respectivamente na 4ª colocação, com vaga direta no Catar, e 5ª posição, ficando com a vaga da repescagem.

Carlezzo representou os chilenos em reclamação na Fifa contra a seleção boliviana pela escalação irregular do jogador Nelson Cabrera, tendo a entidade internacional aceitado os argumentos e dado os três pontos do jogo para os chilenos. O advogado brasileiro está no Chile acompanhando o desenrolar dos fatos para averiguar a viabilidade de uma nova reclamação.

O caso
Uma certidão de nascimento de Castillo, com o nome dos seus pais, foi identificada na Colômbia, nesta semana, como tendo nascido em 1995 com o nome de Bayron Javier Castillo Segura. Já a certidão de nascimento equatoriana declara que ele nasceu em 1998 com o nome de Byron David Castillo Segura. Ambas as certidões têm o mesmo nome de pai e mãe.

A investigação havia sido encerrada no ano passado, mas novas provas foram apresentadas ao Ministério Público do Equador. Os novos documentos foram apresentados pelo advogado Luigi Garcia. A Federação Equatoriana de Futebol (FEF) pode se apegar à norma da Conmebol que determina um prazo de 48 horas após a partida para pedir os pontos do jogo por suposta irregularidade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas