Chung abandona e Federer disputará sua 30ª final de Grand Slam

esportes
26.01.2018, 10:43:33
Atualizado: 26.01.2018, 10:53:26
Federer vai à final após o abandono de Chung (William West / AFP)

Chung abandona e Federer disputará sua 30ª final de Grand Slam

Suíço enfrentará Marin Cilic na decisão do Aberto da Austrália

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois de uma surpreendente vitória sobre Novak Djokovic, o sul-coreano Hyeon Chung decepcionou a torcida ao oferecer pouca resistência ao suíço Roger Federer e abandonar no segundo set a semifinal do Aberto da Austrália, nesta sexta-feira (26). Federer, que liderava o placar por 6/1 e 5/2, avançou a sua 30ª final de Grand Slam da carreira sem maiores dificuldades. Ele defenderá o título no domingo (28), contra o croata Marin Cilic.

Chung desistiu da partida em razão de dor no pé esquerdo. O sul-coreano sofreu com bolhas no pé ao longo do segundo set, quando chegou a receber atendimento médico em quadra. Ao retornar ao jogo, caiu de rendimento e abandonou na sequência, para surpresa de Federer e da torcida presente na Rod Laver Arena, em Melbourne.

Atual 58º do ranking, o tenista de apenas 21 anos era a grande sensação do primeiro Grand Slam da temporada. Chung, uma das apostas da nova geração, surpreendeu ao eliminar favoritos como o alemão Alexander Zverev, 4º do mundo, e o sérvio Novak Djokovic, dono de seis títulos na Austrália, nas oitavas de final.

Nesta sexta, porém, Chung esteve abaixo do que vinha rendendo ao longo dos últimos dez dias. O sul-coreano sofreu com a tática pouco eficiente, que tentava explorar a direita de Federer, conhecido no circuito pela força destes golpes. 

O suíço aproveitou e disparou 24 bolas vencedoras, contra apenas seis do rival, em 1h02min de duelo. A eficiência no fundo de quadra compensava em parte a oscilação no serviço. Federer cravou nove aces, mas colocou em quadra apenas 43% do seu primeiro saque - destes, acertou 94% dos pontos jogados. 

O favorito terminou o jogo com quatro quebras de saque, em 11 oportunidades. E não teve o serviço quebrado - precisou salvar apenas um break point. Ao fim da partida, o suíço não escondeu a surpresa pelo triunfo facilitado pela desistência do adversário

"Estou feliz, mas não pela forma como venci. Eu preferiria um final normal de jogo, mas também devo admitir que é importante fazer algumas partidas mais rápidas sempre que puder, para minimizar o desgaste do corpo e porque há muitos jogos difíceis ao longo da temporada", disse Federer, que elogiou o adversário. "Trata-se de um jogador muito forte e que com certeza estará entre os dez primeiros colocados do ranking em breve".

No domingo, a partir das 5h30 (horário da Bahia), o suíço tentará o sexto título do Aberto da Austrália. Seu adversário, o croata Marin Cilic, será o mesmo que ele venceu na final de Wimbledon do ano passado. Para avançar, o número seis do mundo eliminou na semifinal o britânico Kyle Edmund, na quinta-feira. 

Será o 10º confronto entre Federer e Cilic no circuito profissional. O suíço leva boa vantagem, com oito vitórias e apenas uma derrota, na semifinal do US Open de 2014, quando o croata faturou seu único título de Grand Slam até agora. Se vencer, Federer ampliará o recorde de troféus de Slam, de 19 para 20.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas